Baixa autoestima - 45 dicas de como aumentar a autoestima.

Baixa autoestima – 45 dicas de como aumentar a autoestima

Aumente sua autoestima através destas 45 dicas de ação rápida. Saiba como a baixa autoestima afeta negativamente suas relações, trabalho e saúde.

O que é autoestima?

Autoestima é a avaliação subjetiva que a pessoa faz de si próprio, através de crenças e estados emocionais. É como se sente sobre si mesmo em relação às outras pessoas.

Baixa autoestima

Quando alguém constantemente imagina que as outras pessoas são “melhores” do que ela, provavelmente irá sentir insegurança, ansiedade e desanimo, bem como pensamentos negativos.

Isso é muito injusto! Significa que realmente ela não pode dar o seu melhor, pois considera a vida muito mais difícil do que o necessário.

Como aumentar sua autoestima

A baixa autoestima pode afetar negativamente praticamente todas as características da sua vida, incluindo seus relacionamentos, seu trabalho e saúde. Mas você pode aumentar sua autoestima seguindo estas 45 dicas de ação rápida:

Dica 1. Afinal o que causa baixa autoestima?

Existem mais teorias sobre autoestima do que nas folhas da árvore do lado de fora da minha janela, mas se há uma coisa que eu aprendi em meu consultório ajudando pessoas com baixa autoestima, é esta:

Como aumentar sua autoestima.
Como aumentar sua autoestima.

A baixa autoestima quase sempre resulta de como somos condicionados por outras pessoas.

Se você foi sistematicamente insultado, criticado ou intimidado, é muito provável que tenha absorvido as mensagens negativas sobre você de outras pessoas. Principalmente se você fosse jovem quando isso aconteceu.

Pense em quem eram essas outras pessoas e quando você passou a se sentir mal consigo mesmo, reserve um momento para se perguntar: “Espere um pouco. De quem é essa voz na minha cabeça?“. Aposto que originalmente pertencia a outra pessoa.

Começar a superar o condicionamento que outras pessoas têm de nós é o primeiro passo para a independência psicológica; o verdadeiro “você” (que você deveria ouvir) pode ser muito mais gentil e razoável com você mesmo.

Dica 2. Mas o que é baixa autoestima?

Por favor, reserve um momento para ler a próxima frase.

A baixa autoestima é uma falsa percepção de si mesmo.

Agora, por favor, volte e leia novamente.

Você entendeu isso?

Se tem baixa autoestima, então você é melhor do que pensa que é.

Quando sua autoestima melhora, é porque seu autoconhecimento melhorou; assim como o patinho feio do famoso conto de Hans Christian Anderson teve que aprender sua verdadeira natureza antes que pudesse se realizar.

Mas como saber se sua autoestima está muito baixa?

Falaremos na próxima dica. Por enquanto, volte e leia esta dica mais uma vez.

Dica 3. Quais são os sinais de baixa autoestima?

Ao contrário da crença popular, autoestima saudável não significa amar a si mesmo, não importa o que você faça.

Vergonha, culpa e autocensura têm seu lugar se nos comportarmos mal.

Acontece que aqueles com verdadeira baixa autoestima tendem a sentir essas coisas, mesmo quando não se comportam mal.

Pessoas com uma real baixa autoestima tendem a se tratar mal, então pergunte a si mesmo, como você sente:

Você é moralmente pior do que a maioria das outras pessoas?

Você tem menos apelo do que a maioria das outras pessoas; que você é mais feio?

Você é mais estúpido do que a maioria das outras pessoas?

Você não é amável?

Você também pode sentir:

Nunca gasta dinheiro consigo mesmo ou com a sua aparência porque sente que não é merecedor.

Suas opiniões não são tão válidas quanto as opiniões das outras pessoas.

Sua baixa autoestima está impedindo você de realmente de fazer o que você quer na vida.

Dica 4. Um diamante não tem como saber seu valor para as outras pessoas

Eu me pergunto se você pode se identificar com o texto abaixo:

A campainha tocou. Ela estava perfeitamente no horário. A primeira palavra que ela pronunciou foi: “Desculpe!” Ela disse a palavra mais três vezes antes mesmo de chegarmos ao restaurante. Mais tarde, ela me disse que às vezes se desculpava por existir.

Dica 5. Você está espalhando coisas ruins sobre você mesma?

Aqui está uma coisa que quase todas as pessoas que tratei por causa da baixa autoestima costumam fazer:

Eles pegam um incidente, situação ou característica negativa específica e generalizam para tudo.

É importante entender isso para que você possa se reconhecer fazendo isso. Aqui estão três exemplos para corrigir isso em sua mente:

Exemplo 1:

  • a) Marcia queima uma refeição que preparou para seus filhos
  • b) Ela generaliza: “Eu sou uma péssima mãe, não consigo nem preparar uma refeição!”

Exemplo 2:

  • a) Carlos falha em um teste de matemática
  • b) Então ele generaliza negativamente para: “Eu sou tão estúpido!” – (então, pior ainda) – “Não consigo fazer nada direito!” Passamos magicamente de uma falha em um teste de matemática (específico) para uma falha em tudo (generalização).

Exemplo 3:

  • a) Fernanda realmente gosta de um garoto da sua classe, mas é muito tímida para falar com ele. Ela fica mortificada quando ele convida sua melhor amiga para sair.
  • b) Ela generaliza esse incidente específico para: “Nunca terei um encontro; ninguém vai gostar de mim!”

Na psicologia, isso é conhecido como generalização e se você fizer isso para coisas negativas, você se sentirá mal consigo mesmo.

Saber que você está fazendo isso é o primeiro passo para enfrentá-la.

Se você se pegar fazendo isso, force-se a encontrar exemplos que contradigam sua própria afirmação negativa. É um esforço, mas vale muito a pena.

Dica 6. Você pode ser justo consigo mesmo?

A baixa autoestima nos faz amplificar os fracassos e defeitos pessoais.

Também nos faz minimizar ou desconsiderar completamente os sucessos e pontos fortes pessoais.

Não faça mais isso! Seja justo consigo mesmo.

Se outras pessoas dizem que você é atraente, inteligente, gentil, divertido ou o que for, respeite-as o suficiente para pelo menos considerar que o que elas dizem é uma probabilidade.

Lembrar-se e insistir nas críticas enquanto descarta e esquece elogios (ou qualquer feedback positivo) é uma maneira muito tendenciosa e desequilibrada de vivera vida.

Você está sugando a satisfação do sucesso?
Você está sugando a satisfação do sucesso?

Dica 7. Você está sugando a satisfação do sucesso?

Existe alguma chance de você se sentir assim às vezes?

“Se não for perfeito, então é um fracasso total!”

Em meu trabalho como terapeuta, descobri que essa é uma abordagem muito comum da vida adotada por pessoas com baixa autoestima e ansiedade geral.

A ideia de que algo é 100% inútil, a menos que seja 100% perfeito, é uma armadilha.

“Autoestima” baixa frequentemente vê as coisas em termos de tudo ou nada. “Essa família é simplesmente perfeita! Eu sou simplesmente inútil!”

É claro que nada neste mundo é perfeito e ninguém é totalmente inútil. Para parar com esse pensamento destrutivo em preto ou branco, faça o seguinte:

Pense por exemplo, “Se 100% é perfeito e 0% é fracasso total ou totalmente inútil, como então classifico a refeição que preparei?” Isso força o realismo.

Você pode dar a si mesmo 20% pela refeição ou pelo seu discurso, ou qualquer outra coisa, mas então olhe para esses 20% e pergunte-se: “O que permitiu esses 20%?”

E “como posso trabalhar sobre isso para chegar a talvez 25%?” Isso quebra o pensamento perfeito / desastroso que impulsiona e mantém a baixa autoestima.

Aprender a se avaliar de forma mais equilibrada é vital para uma sólida autoestima contínua.

Dica 8. O que constitui uma sólida autoestima?

Temos falado muito sobre baixa autoestima, mas realmente precisamos saber o que contribui para uma autoestima sólida. Afinal, se você não sabe o destino, como vai chegar lá?

Autoestima saudável consiste em:

Respeito honesto por suas próprias habilidades, potenciais e valores.

Conhecer seus pontos fortes e confiar neles.

Apreciação e aceitação aberta de suas limitações.

Aceitar essas limitações enquanto entende que algumas limitações podem ser superadas.

Liberte-se de se preocupar demais com o que imagina que os outros pensam de nós. Embora aceitar essas percepções desempenhe um papel na vida cotidiana, lembre-se de que elas não determinam quem somos.

Como mencionei antes: um diamante não conhece seu próprio valor, mas ainda assim é um diamante. Lembre-se disso.

Dica 9. Desaprovar a desaprovação de outras pessoas

Você notou que algumas pessoas usam a desaprovação como arma?

Se você já teve uma fobia de desaprovação, essas pessoas irão assustá-lo e por isso controlá-lo se você jogar seus jogos. Ver a realidade através dessa lente estreita e preconceituosa do “isso me agrada ou desagrada” torna as pessoas bastante tirânicas.

Pessoas que desaprovam rapidamente (mesmo que impliquem apenas desaprovação) podem deixá-lo nervoso, para dizer o mínimo.

Concentre-se no que você pensa e deseja. Se alguém parecer desaprovar, questione-o. Pergunte a eles qual é o problema deles. Por mais estranho que pareça, você tem todo o direito de desaprovar a desaprovação deles!

Em última análise, a desaprovação falha em cumprir o que ameaça. Quando a “bomba cai”, você aprende que não há bomba. Quando você permite que as pessoas o desaprovem se quiserem, e para de se preocupar, um novo mundo de possibilidades pessoais se abre diante de você.

Dica 10. Você está comparando o seu interior com o exterior dos outros?

Aqui está uma coisa muito comum – sentir que não é tão bom quanto os outros.

Você já pensou que talvez as pessoas que você considera as “melhores” também tenham pessoas a quem se sentem inferiores?

Aqui está uma maneira de contornar esta armadilha …

Precisamos distinguir entre saber e sentir.

Por exemplo, eu sei que sou inferior a Bill Gates financeiramente, a Stephen Hawking intelectualmente, a milhões de homens esteticamente; mas esse conhecimento não me incomoda nem um pouco.

Saber que você é inferior em alguns aspectos é muito diferente de se sentir inferior. É loucura tentar fingir de que somos sempre tão bons como os outros em todos os sentidos – a “indústria da autoestima” foi culpada desse artifício ridículo.

Há uma pequena citação que gosto de lembrar para este problema:

“Não compare o seu interior com o exterior de outras pessoas”

Dica 11. Veja como parar de se sentir inferior

Como eu disse acima, uma maneira de superar a sensação de se sentir mal porque os outros são “melhores” do que nós é perceber que isso não é ruim. Podemos saber que somos inferiores em alguns aspectos, sem que isso nos faça sentir mal.

Portanto, eis o que fazer se você se sentir inferior a alguém:

Pergunte a si mesmo: “Ok, exatamente a quem me sinto inferior?”. O pensamento emocional é sempre desleixado, então pressione-o para torná-lo menos emocional.

Existem cerca de sete bilhões de pessoas neste planeta. A que tipo de pessoa você se sente inferior? Pessoas ricas? Pessoas bonitas? Pessoas muito acadêmicas? Pessoas que você considera realizadas? A maioria das pessoas não são essas coisas.

Agora seja ainda mais específico – relacione os nomes para si mesmo. “Na verdade, eu me sinto inferior a Renato no trabalho.” Por quê? Como especificamente Renato é melhor do que você?

Assim, de “sentir-se inferior” passamos a “sentir-se inferior a tipos específicos de pessoas” e depois para “sentir-se inferior a Renato no trabalho.

Agora pergunte-se de que maneiras Renato não é superior a você. Ele tem a sua humildade? Sagacidade? Experiência de vida? Compaixão? Inteligência emocional?

Se formos específicos demais com o que constitui ser “bom” ou “bem-sucedido”, será bem provável que pareçamos pior. Acredite em mim, Renato tem seus próprios problemas.

Dica 12. Você está realmente sendo você?

É tão libertador quando você se permite ser você mesmo.

Ninguém escreveu em sua lápide: “Aqui jaz Rafael, ele era muito parecido com João.”

Tudo o que Rafael pode ser é Rafael (ou a melhor versão possível de si mesmo); ele nunca vai ser João.

Querer ser outra pessoa é aceitável quando você tem quinze anos. Mas como pode um imitador ser verdadeiro consigo mesmo? Ser inspirado por outra pessoa significa assimilar algumas das suas características em si próprio. Isso não significa tentar ter exatamente a mesma vida.

A baixa autoestima aumenta quando as pessoas querem ser alguém que não são. Isso não significa que devemos nos limitar ao que podemos fazer, mas significa que podemos viver muito melhor quando não tentamos ser outra pessoa.

Dica 13. O patinho feio

Você se lembra do conto de Anderson “O Patinho Feio”?

Nele, um jovem cisne se sentiu um fracasso como patinho porque, bem, não era realmente um patinho, era? Como poderia ser algo bem-sucedido que não era?

Se você se sente inferior, imagine por um momento como você precisa ser para se sentir bem consigo mesmo. O que você precisa ter de aparência, possuir, estar fazendo?

Agora reflita: tudo isso seria realmente você? Ou seria como um cisne se passando por pato?

Dica 14. Por que o perfeccionismo destrói a autoestima

“Se meu nariz fosse mais reto … então eu estaria confiante e feliz!”

“Se eu ganhasse mais dez mil por ano … então minha vida seria boa!”

“Se eu pudesse ser exatamente igual a Paulo … então me sentiria muito bem comigo mesmo!”

Você já pensou assim?

Claro que a vida não funciona assim. Você pode ter mais confiança com um nariz mais reto por um tempo, mas é muito mais provável que você se esqueça de se comparar com os outros (seja favorável ou desfavorável) quando você vive sua vida de uma forma sustentável, que utiliza seus verdadeiros pontos fortes de caráter, valores e ideias pessoais.

Dica 15. Perdoar a si mesmo é um problema para você?

Muitas pessoas que ajudei com problemas de autoestima têm problemas com culpa ou vergonha por algo que fizeram no passado. E então eu tive que ajudá-las a se perdoar para seguir em frente.

Perdoar a si mesmo não significa dar desculpas; em vez disso, trata-se de encontrar compreensão. Portanto, pergunte-se: em que estado você estava quando fez aquilo? Quando estamos muito emocionais, por um curto período, provavelmente “não estamos em nosso juízo perfeito”. Você estava:

Estressado indevidamente?

Sem saber de todos os fatos?

Agindo influenciado por um passado muito difícil?

Mais uma vez, vou enfatizar que as circunstâncias atenuantes não são desculpas, mas causas possíveis para ações passadas.

Dica 16. Você está sendo chantageado?

Continuando com nosso tópico de perdão a si mesmo, pense se você achou difícil perdoar a si mesmo porque outras pessoas tiveram dificuldade em perdoá-lo.

Considere: eles estão usando isso como chantagem psicológica para manipulá-lo?

Um marido que descobriu que sua esposa teve um breve caso, pode anos depois, continuar a usar esta traição contra ela diariamente, pressionando seus “botões de culpa”.

Você achou difícil seguir em frente porque outra pessoa está tentando impedi-lo? Lembre-se de que você era e é apenas humano.

O mundo será um lugar melhor se você conseguir superar a culpa e usar sua liberdade para fazer uma contribuição maior para sua comunidade.

Dica 17. Você vai “pagar” para sempre?

Caso você se sinta culpado por algo que fez, pergunte-se: “Eu quis causar dor aos outros ou a mim mesmo?”

Nenhum de nós consegue sempre prever as consequências de nossas ações, porque todos nós podemos cometer erros. Aprenda com seus erros e procure corrigi-los.

Você vai “pagar” para sempre?
Você vai “pagar” para sempre?

Dica 18. Autoestima renovada reinventando-se

Não importa o que você tenha feito, você pode construir uma vida boa para você e para os outros. Aqui está uma história de redenção que mostra o que quero dizer:

Na década de 1960, o político britânico John Profumo foi o pivô do chamado “caso Profumo”, que levou à sua demissão e possivelmente à queda do governo da época.

Mas depois da sua renúncia, Profumo foi trabalhar no Toynbee Hall como voluntário. Toynbee Hall é uma instituição de caridade com sede no East End de Londres, e Profumo continuou a trabalhar lá pelo resto de sua vida, tornando-se o seu principal arrecadador de fundos.

Aos olhos de alguns, o trabalho de caridade de Profumo resgatou sua reputação. Seu amigo, o ativista da reforma social, Lord Longford , disse que “sentia mais admiração [por Profumo] do que [por] todos os homens que conheci em minha vida”.

Não temos que ser definidos por um ato ou mesmo um período de nossas vidas. Da mesma forma que uma pessoa não deve descansar sobre os louros após um ato heroico de bondade, sentindo que agora não tem que fazer nenhum esforço, uma pessoa não deve basear tudo em uma ação ou uma parte de sua vida.

Dica 19. O que aconteceria se você falasse o que pensa?

Esta dica aborda o tema “busca de aprovação” (sempre preocupar-se com o que as outras pessoas pensam de você).

Obviamente, é inevitável buscar alguma aprovação – afinal, todos nós precisamos de amigos. Mas se somos conduzidos pela vida fazendo o que acreditamos ser “esperado de nós”, então, de certa forma, deixamos de existir, de viver e de ser reais.

Não constantemente, é claro, mas por que sempre tem que ser você que deve “pisar em ovos”? Comece a praticar falar o que pensa um pouco mais e deixe que as “consequências” se resolvam sozinhas.

O que você vai descobrir é que na maioria das vezes ninguém vai se sentir ofendido por você expor o seu ponto de vista, contanto que você não se proponha a magoá-las.

Dica 20. Você se compara corretamente as outras pessoas?

Ninguém pode nos fazer sentir inferiores ou superiores, a menos que permitamos isso.

Quando instintivamente nos comparamos as pessoas que conhecemos, nós podemos passar a se sentir mais vaidosos ou amargos com o que somos.

A mídia costuma transportar as pessoas mais bonitas, ricas e talentosas para nossas vidas 24 horas por dia, 7 dias por semana. Isso cria a ilusão de que elas fazem parte do nosso círculo de relacionamento.

Veja, como temos a tendência natural de nos compararmos as pessoas com que convivemos, essa ilusão de “conhecermos os famosos” pode fazer-nos sentir permanentemente inferiores e inadequados diante de um padrão que não corresponde a grande maioria das pessoas.

Dica 21. A busca pela unanimidade

Buscar aprovação constantemente significa que estamos perpetuamente preocupados que os outros estejam formando uma opinião negativa sobre nós.

Passamos a se sentir vulneráveis ​​e presos ao fato de as outras pessoas estarem ou não satisfeitas conosco. Isso rouba a diversão, a criatividade e a espontaneidade da vida.

Faça questão de fazer as coisas de vez em quando simplesmente porque você quer. Isso não é ser egoísta; é permitir que outras pessoas saibam que você é uma pessoa multidimensional com seus próprios gostos, ideias e entusiasmos.

Dica 22. Você não está no negócio de controle da mente, está?

Você pode ter percebido isso, mas buscar aprovação ansiosamente geralmente é uma tentativa de tentar obter e manter um senso de controle.

Se pudermos apenas fazer as pessoas “felizes”, sendo o que imaginamos que elas querem que sejamos, não seremos rejeitados ou abandonados. Essa é a suposição comum; mas isso funciona?

Bem, as pessoas gostam de pessoas “legais”, com certeza; mas, paradoxalmente, tentar ser tudo para todas as pessoas pode nos tornar menos apreciados, porque as pessoas geralmente são atraídas por uma aura de autoconfiança.

Portanto, lembre-se sempre de que podemos até influenciar a percepção do que as pessoas têm de nós mesmos, mas não podemos controlá-la.

Dica 23. Autoestima é percepção – O que você acha que é certo

Se você tivesse vivido na Alemanha nazista como uma pessoa não judia de cabelos louros e olhos azuis, para buscar a aprovação das pessoas ao seu redor (o partido nazista no poder) você teria que ter feito e acreditado em algumas coisas monstruosas.

A pressão dos colegas pode nos fazer ir contra o que realmente sabemos ser um comportamento decente e civilizado.

A mentalidade de manada pode funcionar em qualquer escala. O “líder” decide o que é “certo e errado”, e uma parte dos seguidores obedecem para impressionar o líder, e outros porque temem as consequências se não o fizerem.

Isso é óbvio em um grande culto como a Alemanha nazista ou em cultos menores, mas acontece muito mais na vida cotidiana do que muitos de nós imaginamos.

Concentre-se no que você acredita ser certo diante das situações, em vez do que a pressão dos colegas pode levar você a fazer. Seja você mesmo. Resista à pressão do grupo a que faz parte.

Dica 24. Autoestima na prática – O que as pessoas realmente pensam de você?

Percebi que as pessoas que se preocupam abertamente com a aprovação presumem que as outras pessoas vão considerá-las “uma pessoa terrível” ou “um perdedor” se disserem ou fizerem algo que de alguma forma não está certo.

Mas a maioria das pessoas não toma decisões muito críticas sobre outras pessoas com base em algumas palavras ou mesmo ações.

Preocupar-se constantemente com a possibilidade de outra pessoa interiormente condená-lo como uma “pessoa horrível” é superestimar o “preto ou branco” das percepções que outras pessoas têm de você mesmo.

Posso às vezes ficar perplexo ou surpreso (ou supor que os entendi mal) quando alguém diz ou faz algo, mas raramente concluo: “Ela / ele é uma pessoa terrível!”

Como sabemos, geralmente pessoas boas podem fazer coisas ruins. Se você está perto de pessoas que fazem avaliações gerais, negativas e prematuras de você com base em algumas palavras ou ações, então você precisa se lembrar de que o mundo não gira em torno delas. E de que você pode reconsiderar sua escolha de companheiros!

Dica 25. Desaprovar a desaprovação de terceiros

Você notou que algumas pessoas usam a desaprovação como arma?

Se você tem fobia de desaprovação, essas pessoas irão assustá-lo, e por isso controlá-lo se jogar seus jogos.

Ver a realidade através de uma lente estreita e preconceituosa de “isso me agrada ou desagrada?” torna as pessoas bastante tirânicas. Pessoas que desaprovam rapidamente (mesmo que impliquem apenas desaprovação) podem deixá-lo nervoso, para dizer o mínimo.

Concentre-se no que você pensa e deseja. Se alguém parecer desaprovar, questione-o. Pergunte qual é o problema dele? Por mais estranho que pareça, você tem todo o direito de desaprovar a desaprovação alheia!

Quando você passa a considerar natural e permite que as pessoas o desaprovem, um novo mundo de possibilidades se abre diante de você.

Dica 26. Autoestima – Você se importa muito com o que os outros pensam?

Por que devemos nos preocupar com o que os outros pensam de nós? temos mais confiança em suas opiniões do que nas nossas próprias?

Conheci pessoas que não ligam para o que os outros pensam. Essas pessoas podem ser adoráveis ​​em alguns aspectos, mas tendem a fazer em situações sociais o que, digamos, uma onda de calor fora da estação pode fazer nas Olimpíadas de Inverno.

Ainda assim, de certa forma, você pode invejá-los. Nunca parecendo se importar ou mesmo considerar o que os outros pensam deles – ah, que liberdade!

Mas na realidade precisamos de equilíbrio. Para sermos “emocionalmente inteligentes”, precisamos ter alguma consciência e consideração do que os outros podem estar pensando de nós, embora não nos importemos tanto a ponto de nos impedir de ser seres humanos eficazes e originais.

Um dos meus clientes, se sentia incapaz por muitos anos de fazer o que queria. Ele juntou-se ao negócio da família porque temia que ela pensasse mal dele, caso perseguisse sua paixão pela música.

Ele disse que sempre teve medo de fazer, dizer ou até mesmo pensar em suas próprias coisas. Quando ele veio até mim, ele até teve a sensação de que as pessoas o estavam julgando quando ele caminhava pela rua. “É como se minhas roupas, o jeito que eu ando, tudo estivesse errado de alguma forma.”

Ele sabia conscientemente que as outras pessoas não estavam focadas apenas nele, ele sabia que seus pontos de vista, desejos e ideias eram tão válidos quanto os de qualquer outra pessoa; mas não era assim que ele se sentia.

Fiz então a ele a pergunta de dez milhões de dólares: “O que você realmente gostaria de fazer?” Ele fez uma pausa, pareceu duvidoso, então um sorriso tímido surgiu, seguido por outro maior: “Sabe, agora os filhos estão crescidos, a esposa e eu adoraríamos seguir nosso sonho de nos aposentarmos na Espanha e abrir um pequeno hotel.”

“E o que está parando você?”

“A mesma coisa que sempre teve: o medo do que as pessoas pensariam”.

Preocupar-se com o que as outras pessoas pensam é a causa de todos os tipos de comportamento superficial, constrangimento, oportunidades perdidas, ressentimentos internos, arrependimento e até amargura.

Pense: o que está parando você?

Autoestima – Você se importa muito com o que os outros pensam?
Autoestima – Você se importa muito com o que os outros pensam?

Dica 27. A sua imaginação está fazendo você se sentir horrível?

“A mente … por si mesma pode fazer um paraíso do inferno, um inferno do paraíso …” – John Milton, Paradise Lost

A imaginação é uma coisa maravilhosa. Exceto quando não é.

Quantas vezes por dia você diria que imagina algo que o faz se sentir mal?

5 vezes? 10 vezes? Mais?

Como seria a vida se você não fizesse nada disso? E se esse tempo fosse usado para imaginar as coisas indo bem em vez disso?

Para neutralizar isso, comece a desafiar o que sua imaginação joga em você. “Todos eles vão me odiar! … Espere, como vou saber disso? Algumas pessoas vão gostar de mim, algumas vão pensar que estou bem, e algumas podem ser indiferentes.”

Pare de pensar o pior! A sua imaginação pode ser criativa, mas nem sempre é útil. Nem mesmo perto disso.

Dica 28. Por que as pessoas gostam – ou não – de você?

“Nos preocuparíamos menos com o que os outros pensam de nós se percebêssemos como raramente o fazem.” – Ethel Barrett

Admito que, quando comecei a falar em público, fiquei angustiado pensando se as pessoas pensariam que o que eu estava fazendo estava bem, espero desesperadamente que gostem e às vezes imagino que não gostem.

Hoje eu não me importo; isso dá muito trabalho. Não é que eu ache que as pessoas vão gostar de mim ou do que tenho a dizer, é que aprendi a relaxar simplesmente sem saber.

Alguns “problemas” da vida, como não saber realmente com certeza o que os outros pensam de nós, não foram feitos para serem resolvidos.

A maneira como as pessoas percebem você pode ter mais a ver com elas do que com você. Eles podem até gostar ou não gostar de você simplesmente porque você desencadeou uma associação em suas mentes, e os lembrou de alguém de quem gostaram (ou não gostaram) de seu passado.

Isso não tem nada a ver com você. Pare de se preocupar!

Dica 29. Como ser você mesmo

As pessoas dizem “seja você mesmo”, não é? Mas eles nunca dizem como.

Em primeiro lugar, lembre-se de que é humano imitar outros humanos. Vemos isso especialmente em jovens adultos, quando de repente parecem adotar o sotaque, as roupas e a personalidade de outros jovens ou talvez de uma celebridade em particular. Mas tudo o que você pode ser no final das contas é … você mesmo.

Tentar ser alguém que você não é sempre o deixará insatisfeito, por mais que admire essa pessoa. É curioso que tendemos a tentar adotar a aparência externa ou o comportamento de pessoas que se sentem confortáveis ​​em serem individualistas.

Todos nós temos peculiaridades, perspectivas únicas e idiossincrasias. Quanto mais relaxados ficamos com nossas próprias diferenças, mais confortáveis ​​começamos a nos sentirmos por apenas sermos nós mesmos.

Portanto, para ser você mesmo, primeiro precisará da autoaceitação, para depois poder tentar ser você mesmo.

Dica 30. Você está dando uma chance aos outros?

Um paciente não conseguiu realizar o sonho de abrir um pequeno hotel na Espanha por causa do que as pessoas poderiam pensar. Bem, a certa altura da nossa terapia, de repente disse a ele: “O que o faz pensar que é tão melhor do que as outras pessoas!”

Ele pareceu surpreso: “Eu não, esse é o ponto!”

“Mas você já me disse que gosta de ver o melhor nos outros; no entanto, você assume que as outras pessoas sempre procuram ver o pior em você!”

Ele parecia muito pensativo com isso. Preocupar-se que outras pessoas nos considerem estúpidos, feios, patéticos ou pouco legais é prestar um péssimo serviço a essas pessoas. Muitas pessoas irão julgá-lo com justiça e dar-lhe o benefício da dúvida – então, dê-lhes o benefício da dúvida

Quando você realmente entende isso, pode revolucionar a forma como você se sente a respeito de si mesmo e das outras pessoas. Então, por favor, dedique alguns minutos agora para absorvê-lo.

Ah, e caso você esteja se perguntando, meu paciente percebeu que não viveria para sempre, e pela última vez que ouvi, ele estava amando sua vida na Espanha.

Dica 31. Aumente sua autoestima – Experimente o pensamento de urgência!

Considere isto…

Se você estivesse fazendo boca a boca para salvar a vida de alguém em público, você estaria totalmente focado.

Você não estaria pensando no que os espectadores pensam de suas roupas, do formato do seu corpo ou da cor dos seus olhos. Todas essas coisas desapareceriam de sua consciência.

Quando você está apaixonado e fascinado, digamos, por uma conversa que está tendo, você tende a esquecer de se preocupar em imaginar o que os outros podem estar pensando de você mesmo.

Pense nas ocasiões em que você se sentiu tentado a se preocupar com o que os outros pensam de você.

Agora pense em momentos em que você está totalmente focado – talvez em um jogo de ou música, ou lendo um livro, ou conversando com um amigo quando ele está lhe contando algo incrível. Agora observe a sensação de estar totalmente focado fora de você.

Amplifique esse sentimento.

Leve essa sensação de foco externo para a situação imaginada da Etapa 1 (onde antes você estaria se preocupando com o que os outros poderiam estar pensando).

Experimente estar na situação formalmente autoconsciente e sentir-se relaxado e despreocupado com o que os outros podem ou não estar pensando.

Observe como é chegar ao ponto em que você nem mesmo pensa no que os outros podem estar pensando.

Esse é o tipo de exercício que usamos para fortalecer sua autoestima.

Às vezes, ignorar o quadro geral é uma coisa boa.

Dica 32. O que a cobra pode lhe ensinar sobre ser legal demais

A cobra era cruel e perigosa. Ele aterrorizou os aldeões, mordendo as crianças e assustando todos os adultos. Mas às vezes ela se sentia solitária e ansiava por companhia.

Um dia, um homem sábio entrou na aldeia. Ele viu claramente o caos que as ações da cobra trouxeram.

Porque esta é uma história e ele era sábio, ele poderia falar com a cobra, e ao ganhar a confiança do réptil, disse: “Ouça, cobra. Você não está apenas deixando as pessoas aqui infelizes, mas você mesmo está claramente infeliz. Pratique alguma gentileza, e uma gentileza para melhorar a vida de todos aqui, incluindo a sua.”

E assim o sábio seguiu seu caminho.

Anos depois, o sábio passou novamente por aquela mesma aldeia. Para sua surpresa, ele viu um brinquedo inerte e passivo sendo chutado pelas crianças. Ele percebeu que esta era, de fato, nada menos que a serpente formalmente agressiva com a qual ele trocara palavras anos antes. A cobra conseguiu se livrar de seus algozes e deslizar até o homem.

“Seu conselho foi desastroso!” ela sibilou fracamente. “Praticar a gentileza me trouxe uma miséria completa! Agora sou usada como um brinquedo. Eu estava melhor antes!”

O velho respondeu: “Você seguiu meu conselho muito literalmente e sem reflexão. Eu disse que você não deveria morder, mas não disse que você nunca deveria sibilar!”

Não sei se ser bom demais com os outros é um problema para você, mas, pela minha experiência em ajudar pessoas com baixa autoestima, muitas vezes é.

Se for, então parar de ser muito legal pode muito bem ajudá-lo a recuperar o seu silvo.

Dica 33. Autoestima na prática – Como evitar se desvalorizar

Vimos acima como a cobra tornou a vida difícil para si mesma ao se tornar gentil demais. Desta vez, quero ver como as pessoas respondem a muita gentileza.

Você notou que quando algo está muito disponível, seu valor percebido cai?

Consideramos a água insignificante quando é abundante, mas ela se torna mais valiosa do que o ouro durante uma seca severa.

Da mesma forma, quando alguém é confiavelmente legal, sua gentileza perde valor porque é abundante. Mas quando alguém às vezes é, mas nem sempre, “legal”, valorizamos sua gentileza como um recurso escasso.

É mais provável que nos tornemos viciados em jogos de azar (ou qualquer coisa) quando as recompensas desse comportamento são inconsistentes. Se os jogadores ganhassem todas as vezes, o ato de jogar, acredite ou não, se tornaria menos atraente para eles e pareceria menos significativo.

Não me culpe, pois eu não inventei a natureza humana! (Embora este princípio seja válido para outros animais também).

Vale a pena refletir no caso de você ficar tentado a pensar “tudo o que tenho a fazer é ser mais legal com eles e eles gostarão de mim”.

Autoestima na prática – Como evitar se desvalorizar.
Autoestima na prática – Como evitar se desvalorizar.

Dica 34. Como parar de ser legal demais

Falamos um pouco sobre os riscos de ser gentil demais.

Então, o que devemos fazer com isso? Bem, se não quisermos tirar proveito no trabalho ou nos relacionamentos, ajudará pelo menos a tornar-se mais assertivo.

No trabalho, acho que as pessoas devem ser consistentemente boas com os clientes como parte de demonstrar profissionalismo; mas não ao ponto de serem abusados ​​como nossa amiga, a cobra, do texto anterior.

O oposto de ser horrível não é ser legal demais (a menos que você pense de forma tão simplista quanto a cobra).

A cobra não estava sendo legal depois que ela aplicou mal o conselho do sábio. Digo isso porque o efeito da sua gentileza foi tornar as crianças pessoas piores. As crianças se tornaram cruéis, desrespeitosas e insensíveis. Ser gentil demais pode negar aos outros a chance de se comportarem bem.

O antídoto para o SMA (“Síndrome do Muito Agradável”) não é se tornar um mesquinho cruel, mas simplesmente se lembrar de como “sibilar” às vezes.

Outras dicas sobre como não parecer muito bom incluem:

Esteja preparado para chatear outras pessoas às vezes. Pode até fazer bem a elas.

Nem sempre se coloque por último, porque logo outros o farão também.

Tenha seu próprio ponto de vista, sem esperar sempre para ver o que os outros pensam.

Nem sempre diga sim a tudo imediatamente. Se algo realmente não estiver bem para você, diga não. Ou deixe as pessoas saberem que é algo que você terá que considerar com cuidado.

Devemos tratar bem os outros, evitar o egoísmo quando pudermos e ser atenciosos e decentes, mas nunca ser pressionados ou abusados. E quando você precisar assobiar como a cobra … então assobie!

Isso é tudo sobre ser legal demais por enquanto, espero que tenha sido útil.

Dica 35. Supere o medo do confronto

Aqui está um problema que você provavelmente já encontrou: alguém está sendo ruim com você. O que você faz?

É estranho. A baixa autoestima leva as pessoas a acreditar que suas próprias necessidades não importam. Você pode até se sentir mais confortável defendendo outras pessoas, mas não para si mesmo.

O medo e o hábito o impedem de dizer o que deveria dizer a alguém. Mas você descobrirá que uma boa autoestima permite que você se sinta confortável com o confronto. Mas também funciona ao contrário. Ficar confortável com o confronto aumenta sua autoestima. Essa é uma grande vitória.

Já falamos sobre ser legal demais, mas que tal realmente decidir confrontar alguém por algo que você precisa?

Como confrontar alguém

Decida se é algo que você realmente sente que precisa ser abordado. Todos nós podemos ser tolerantes até certo ponto. Não sinta que você tem que enfrentar tudo, mas quando realmente importar, diga a eles.

Atenha-se absolutamente e apenas aos fatos. Diga a eles o que está incomodando você, sem insultos ou desculpas.

Não dê desculpas para eles. Você já fez muito disso.

Não se desculpe.

Mantenha a conversa livre de insultos. Concentre-se no comportamento.

Se eles o insultarem, lembre-os de que precisa de uma conversa adulta.

Deixe-os saber por que você está infeliz, claramente o que está errado.

Mostre o que precisa ser mudado no futuro e por que isso será melhor.

Procure um acordo e concentre-se no problema, não em como eles são horríveis.

Se eles gritarem, lembre-os de que você quer uma conversa adulta.

E acima de tudo fique calmo.

Dica 36. Impeça o medo do fracasso de destruir sua vida

“Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que muitas vezes podemos ganhar por medo de tentar.” – William Shakespeare

Você às vezes teme demais o fracasso para tentar as coisas? O medo do fracasso está intimamente ligado ao medo da rejeição e ao medo de ser mal considerado.

Qualquer um pode criar uma desculpa para não fazer nada, não importa o quão potencialmente valioso e recompensador seria se o fizesse. É apenas escolher acreditar nessas desculpas.

A indecisão pode ser apenas outra “tática” inconsciente para protegê-lo de tentar. Afinal, se você não tentar, você não “falhará” certo? Só que não tentar é uma espécie de fracasso, e no fundo todos sabemos disso.

Decida hoje ter a coragem de ir atrás de algo que deseja.

“Tudo o que você pode fazer, ou sonhar que você pode fazer, comece. Ousadia tem gênio, poder e magia em si. Comece agora.” – Johann Wolfgang von Goethe

Darei a seguir algumas ideias para ajudá-lo a buscar o que você mais deseja.

Dica 37. Como ter sucesso: a teoria da relatividade explicada em 30 segundos

Eu estava falando acima sobre o medo do fracasso, que também é outra maneira de descrever o medo do sucesso.

A baixa autoestima leva você a se sentir “um fracasso”. Mas para ser “um sucesso”, precisamos ir além das noções simplistas de “sucesso” ou “fracasso”.

Por quê?

Porque o fracasso é um termo relativo.

Olhe isto deste modo:

Se eu me formar em espanhol, posso estudar alguns anos e aprender um bom espanhol. Mas e se, por algum motivo, eu realmente não terminar o curso?

Isso é um fracasso total? Ou é um sucesso parcial? Posso, como resultado desse estudo, agora ser capaz de conversar fluentemente em espanhol (relativo sucesso), mas não tenho meu diploma (relativo “fracasso”).

Se sofro de perfeccionismo, posso não “converter” a parte relativa do sucesso e me sentir um “fracasso total!”

Se um relacionamento “falhou”, então podemos ver isso como “fracasso total” ou talvez não. Porque você teve esse relacionamento, você aprendeu muitas coisas úteis que vão ajudar seus relacionamentos futuros – isso é uma espécie de sucesso a longo prazo, de qualquer maneira.

Uma falha em um nível geralmente é um sucesso em outro, quando somos menos negativos quanto a isso.

O farmacologista escocês Sir Alexander Fleming conseguiu descobrir acidentalmente a penicilina (que indiretamente salvou centenas de milhões de vidas) por não conseguir eliminar culturas de estafilococos em uma bancada em um canto de seu laboratório.

O fracasso na escola pode ser o catalisador para uma carreira de sucesso na arte, quem sabe?

Afrouxe seu pensamento sobre o que constitui “sucesso” e “fracasso”, e tanto o medo do fracasso quanto o medo do sucesso irão evaporar, ajudando você a ser mais corajoso no que tentar.

Dica 38. Qual é o seu sucesso?

Diz a lenda 2.500 anos atrás, o Buda sentou-se sob uma certa árvore e finalmente alcançou a iluminação espiritual. No entanto, anos antes, ele havia feito o que muitos na época presumiam ser loucura.

Ele abandonou a riqueza e o status principesco para vagar na pobreza. Seu pai achava que ele era louco, seus colegas achavam que ele era louco. Se você tentasse fazer isso hoje, o mundo moderno pensaria que você é louco.

Ele seguiu seu próprio caminho.

O que isso tem a ver com o seu sucesso? A resposta: O seu sucesso tem de ser o seu sucesso.

O medo do fracasso muitas vezes significa medo de não cumprir as expectativas das outras pessoas (ou o que você imagina que sejam as expectativas delas). Mas eu quero que você siga suas próprias ideias profundas para o sucesso.

Aqui está uma pergunta: O que “sucesso” significa para você? Se isso se encaixa com o que outras pessoas presumem que é ser “bem-sucedido”, então está tudo bem – mas talvez não seja, e isso precisa estar bem claro também.

Provavelmente, para você, “sucesso” signifique viver cada dia com um senso de significado e propósito, ou ter uma mente e um corpo saudáveis, ou comprar um lugar ao sol, ou todas essas coisas e muito mais.

Talvez se apaixonar e permanecer apaixonado seja importante para você ou escrever um livro, ou compor e tocar música, ou viajar, ou começar algo novo que ajude o mundo, ou algo totalmente diferente que eu não mencionei.

Para muitos, sucesso passou a significar a aquisição de riqueza, mas sabemos que ganhar cada vez mais dinheiro acima de um nível razoável não nos torna cada vez mais felizes. Pense bem sobre o que você sentiria se tivesse sucesso e tenha em mente que pode não parecer sucesso para outras pessoas.

Afinal, é a sua vida. Se você sente que tem e vive sua vida quase inteiramente de acordo com o que os outros esperam de você, então você não está vivendo sua vida de forma alguma.

Dica 39. Seja ousado, aja!

“Se você não comete erros, não comete nada”

É um clichê dizer que aqueles que têm sucesso geralmente são aqueles que estão mais preparados para “falhar”. Quanto mais você tenta pela lei das médias, tem mais probabilidade de ser bem-sucedido.

Adquira o hábito de ver em quanto você pode “falhar”. Faça aulas, aprenda algo, experimente coisas novas; é um jogo de números. Coloque-se lá fora e se acostume a tentar coisas sem pensar muito em “sucesso” ou “fracasso”. As pessoas mais bem-sucedidas geralmente são aquelas que mais tentam.

O que as pessoas esquecem é que, para acelerar sua taxa de sucesso, você precisa acelerar sua taxa de fracasso. E se você prevê que falhará em algo e então falhar, você terá realmente tido sucesso em sua previsão. Quanto mais você tenta as coisas, mais normal será dizer “sim” à vida e mais você ganhará no longo prazo, mesmo que às vezes pareça um “fracasso”.

Dica 40. Por que você deve ter sucesso

Você já sentiu que não “merecia” o sucesso?

Você não se sentiu capaz de “avançar” na vida?

A baixa autoestima convence as pessoas a não tentarem, em parte porque se você não tentar não “falhará”, mas também porque em algum lugar ao longo do caminho você aprendeu (ou não aprendeu ) que, bem, quem é você para se elevar acima dos demais?

Mas eu quero que você considere o seguinte:

Eu quero que você esqueça que você está tendo sucesso e pense em situações que outros estão tendo sucesso. O seu sucesso nunca é apenas o seu sucesso porque as coisas boas se espalham e quando você ajuda a si mesmo, inevitavelmente ajuda os outros também.

Se eu toco violão bem como acompanhamento, não estou tendo tanto sucesso, mas servindo a situação para que a situação seja bem-sucedida. Você ganhar destaque de alguma forma pode ser à sua maneira de dar, não de tirar do mundo.

Dica 41. Sua autoestima – Por que você está além das críticas

Alguém continua criticando você? A crítica implacável o desgasta, e se você tem tendência à baixa autoestima, pode ter concordado internamente com o crítico. Se isso acontecer, você se critica toda vez que alguém o critica! A baixa autoestima nos leva ao lado de quem nos maltrata! Mas você pode ir muito além disso.

Como? Lembrando que crítica é sempre mentira. Como posso dizer isso?

Porque, por definição, a crítica é diferente de uma reclamação. Se alguém reclamar de você, isso pode ser justificado, mas a crítica é falsa porque:

Ela ataca tudo o que você é: “Você é um preguiçoso, porque se esqueceu de comprar leite!”.

É global no sentido de que implica que você é assim em todos os sentidos.

É permanente porque implica que você sempre foi assim e sempre será assim.

Queixa: “Estou chateado porque você não comprou o leite como disse que compraria hoje.”

(Não ataca toda a sua personalidade, mas se refere a algo que você se esqueceu de fazer, fala sobre “hoje”, portanto, não implica permanência e se concentra em uma ação – ou falta dela – que é específica e não global).

Crítica: “Você não comprou o leite; você é tão preguiçoso e inútil!

(Um incidente específico se espalha para se aplicar a toda a sua identidade – passado, presente e futuro – e com a implicação de que você é sempre “preguiçoso” e “inútil” em todas as áreas.)

Uma crítica é sempre um exagero (que pode conter uma semente de reclamação) que nunca pode ser “verdadeira”. Saiba a diferença entre uma crítica e uma reclamação e nunca sinta que deve aceitar uma crítica. Se você tem baixa autoestima, é provável que tenha sido criticado mais do que o suficiente.

Neste contexto, a terapia por hipnose pode ser muito eficaz para acelerar o processo de melhora da autoestima. A hipnoterapia atua diretamente no inconsciente – onde residem as percepções negativas sobre nós mesmos – possibilitando o resgate da autoconfiança, resiliência e otimismo.

Dica 42. Autoestima alta – Nunca desista!

Já ouviu falar da lei de Gresham? É o princípio econômico de que “dinheiro ruim tira dinheiro bom”. E os sentimentos ruins podem expulsar os bons e os pensamentos ruins podem expulsar os bons. E depois de anos disso, tudo começa a parecer um hábito. Mas também é verdade que os bons sentimentos e pensamentos começarão a expulsar os maus.

Na verdade, o que você está aprendendo nem mesmo exige se sentir bem ou pensar “positivamente”, apenas de forma mais objetiva e justa. Não desista, na verdade nunca desista.

Determinação e perseverança contribuem para uma vida mais bem-sucedida, e em última análise, mais feliz.

Continue lendo abaixo para ampliar a ideia do que é possível para você.

Deixe Sir Roger Bannister ajudá-lo agora:

“Você não foi feito para rastejar, então não faça. Você tem asas. Aprenda a usá-las e voe.” – Rumi século 13

Já ouviu falar do “Efeito Bannister”? Antes de 6 de maio de 1954, era considerado “impossível” correr uma milha em menos de quatro minutos. Todos os tipos de especialistas afirmavam que nenhum corpo humano poderia ir mais rápido do que 4 minutos. Então, como eles explicaram que naquela data um Dr. (agora “Sir”) Roger Bannister fez exatamente o que “especialistas” em todo o mundo disseram que não era possível! Choque, horror, ele correu uma milha em 4 minutos – 3 minutos e 59,4 segundos para ser mais preciso.

No entanto, não foi a barreira física, mas a psicológica a que nos referimos quando descrevemos o “Efeito Bannister”. Agora realmente pense sobre isso:

Nos 12 meses após o feito histórico de Bannister, mais 37 corredores quebraram a milha em quatro minutos, e nos 12 meses seguintes , mais 300 fizeram isso!

Todos os atletas presumivelmente poderiam ter corrido tão rápido antes da corrida de Bannister! Então, por que não? Porque eles não sabiam que era possível. Não deixe as pessoas lhe dizerem que você não pode fazer coisas. Lembre-se sempre do efeito Bannister e de como ele pode ser pouco mais do que uma ilusão popular limitadora.

Alcance seu potencial .

Autoestima alta – Nunca desista!
Autoestima alta – Nunca desista!

Dica 43. Esqueça “acreditar em si mesmo”

Aqui está uma ideia que eu acho que você achará útil:

Você não tem que pensar em como acreditar em si mesmo quando você já acredita em você, e você não tem que tentar ser positivo quando você está positivo.

(Talvez você precise ler essa frase algumas vezes!)

Aqui está um exemplo para mostrar o que quero dizer;

Quando você está realmente fascinado por algo, ou intrigado para ver até onde realmente pode ir, você naturalmente não vai desviar tempo e energia para desesperadamente “acreditar em si mesmo” ou “ser positivo”, porque seu foco neste momento não está em si mesmo.

Dica 44. Como não ser emocionalmente inseguro

Você não sabe o que vai acontecer – então relaxe. A baixa autoestima faz você presumir muito sobre o futuro, mas aqui está um segredo: o mesmo acontece com o “pensamento positivo”. Pessoas realmente emocionalmente seguras não presumem que as coisas precisam ir bem. Eles também não presumem que algo está fadado a ser “um desastre”. Qual é o segredo deles?

Eles aprenderam a relaxar sem saber. Eles podem tolerar, até mesmo prosperar na incerteza. Isso pode não parecer incrível, mas uma vez que você pode fazer isso nos relacionamentos, no trabalho, em todos os tipos de situações, você instantaneamente se torna mais seguro emocionalmente.

Isso porque a insegurança emocional nos faz “ter que saber” que fulano nos ama, ou o relacionamento vai dar certo, ou que pessoas gostam de nós, ou que algum evento vai dar certo. Mas quando você deixa de ter que saber, algo maravilhoso acontece. Você se torna verdadeiramente autoconfiante – com a sensação de que “Não sei o que vai acontecer aqui, farei tudo o que puder para que funcione, mas aconteça o que acontecer, ficarei bem “. A capacidade de relaxar mais com a incerteza faz parte da autoestima e da autoconfiança realmente saudáveis.

Dica 45. Comece a se mexer – Conheça as endorfinas

O exercício físico é uma ótima maneira de aumentar a motivação, praticar o estabelecimento de metas e construir confiança.

Já se sentiu incrível depois de um treino bom e intenso? Você pode ter ouvido que o seu “barato” é causado por minúsculos compostos neuroquímicos liberados pelo seu corpo. Esses neuroquímicos são chamados de endorfinas. Embora as endorfinas possam fazer você se sentir bem após uma longa corrida, há muito mais para saber sobre o papel que desempenham na regulação do seu corpo.

Nem todas as funções que as endorfinas desempenham no corpo são completamente compreendidas. Sabemos que as endorfinas são importantes para reduzir a dor e aumentar o prazer.

As endorfinas estão envolvidas com nossos circuitos naturais de recompensa e estão relacionadas a atividades importantes como comer, beber, manter a forma física e ter relações sexuais. As endorfinas também aumentam durante a gravidez. Elas minimizam o desconforto e a dor, e maximizam o prazer. Isso nos ajuda a continuar funcionando apesar de lesões ou estresse.

Como os humanos buscam naturalmente sentir prazer e evitar a dor, é mais provável que façamos uma atividade se ela nos fizer sentir bem. Do ponto de vista evolutivo, isso ajuda a garantir a sobrevivência.

Nós somos criaturas sociais e prosperamos em comunidades. As endorfinas também ajudam a reforçar os vínculos sociais. Embora isso possa não ser mais inteiramente verdade, no início da história humana, as pessoas que se mantinham juntas em grupos sociais eram mais capazes de sobreviver e se reproduzir.

Comece a se mexer – Conheça as endorfinas.
Comece a se mexer – Conheça as endorfinas.

Saiba mais sobre terapia de hipnose para o controle da ansiedade clicando aqui.

Saiba mais sobre os transtornos de ansiedade clicando aqui.