Ansiedade e burnout no home office.

Ansiedade e burnout no home office – um alerta na pandemia

Home office – saiba porque a dificuldade de conciliar vida pessoal e profissional durante a pandemia pode estimular transtornos como ansiedade e burnout.

Há mais de um ano, grandes mudanças na vida profissional fizeram os brasileiros sentirem que suas carreiras haviam se deteriorado durante a pandemia covid-19. De acordo com uma pesquisa da consultoria de estratégia Oliver Wyman com cerca de 4.000 pessoas, para 32% dos entrevistados, os impactos na saúde mental e na renda foram os fatores que motivaram a busca por ajuda para tratar a ansiedade ou a depressão neste momento de incertezas.

Na investigação, o estresse financeiro e o estresse no trabalho foram os dois principais motivos para buscar ajuda para lidar com essas condições mentais. Especialistas afirmam que a dificuldade de conciliar a vida pessoal e profissional no escritório doméstico, com solicitações exageradas e intermináveis reuniões online, desencadeia sintomas emocionais e insatisfação. Tudo isso funciona em conjunto para manter as pessoas estressadas no trabalho, o que as coloca em alerta máximo para o aparecimento da síndrome de burnout.

Estresse e ansiedade – sinais de alerta no home office

Uma outra pesquisa da consultoria Gallup sobre as causas do esgotamento e remédios para funcionários, mostrou que as pessoas que dizem ter tempo suficiente para fazer seu trabalho têm 70% menos probabilidade de sofrer de esgotamento. Para isso, é necessária uma relação saudável entre líderes e liderados, bem como atenção cuidadosa aos sinais e sintomas de estresse e outros problemas de saúde mental que muitas vezes passam despercebidos.

“A saúde mental não é apenas a ausência de queixas de doenças. É um conceito mais amplo que, segundo a OMS, envolve bem-estar físico, mental e social”, afirma Daniela Laranja, neurologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Para a empresa, é óbvio que um funcionário é afastado por um diagnóstico de ansiedade ou depressão, mas explica que há patologias que não estão incluídas nos indicadores destas doenças.

Dor crônica nas costas, dor no pescoço, insônia ou má qualidade do sono, dores de cabeça. Tudo isso pode ser um indício de que a pessoa está sofrendo de um estado depressivo, manifestado de outra forma. Além desses sinais, ela enumera algumas pistas que podem apontar para problemas de saúde mental, aos quais líderes e funcionários devem estar atentos, principalmente em horários de trabalho em casa.
Diminuição da produtividade.

Para ajudar as empresas, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz lançou um programa de saúde mental no início deste mês para organizações de médio e grande porte. A principal iniciativa do projeto é um curso de formação para socorristas em saúde mental, que irá treinar profissionais dentro das empresas para identificação de riscos.

Também faz parte da ação o Guia de Saúde Mental Pós-Pandêmica no Brasil, desenvolvido em parceria com a Pfizer, que destaca as consequências negativas da pandemia na psicologia humana.

Um dos benefícios desse treinamento é que o aprendiz pode se tornar uma referência dentro da empresa para quem ainda se sente desconfortável em ir ao médico. Porém, isso não exclui uma consulta com o profissional para identificar sintomas de estresse e outros problemas relacionados à saúde mental; esta é apenas uma maneira de começar a reconhecer o problema.

Melhorar o monitoramento exige um esforço conjunto da empresa, em especial da equipe de medicina do trabalho. Se os números da depressão estão estáveis e o número de retiradas por dores no pescoço, por exemplo, está aumentando, os médicos precisam ficar atentos. Isso ilustra que a dor de estômago nem sempre é um sinal de úlcera e pode ser um sintoma de ansiedade.

Estratégias para reduzir a ansiedade.
Estratégias para reduzir a ansiedade.

A partir da suspeita ou mesmo da identificação de um mau estado mental, as organizações podem adotar medidas para prevenir a recorrência – a empresa precisa focar em oferecer opções de atendimento aos seus funcionários e torná-lo rotineiro. Individualmente, algumas diretrizes para fortalecer os cuidados pessoais no home office, especialmente durante a pandemia, são igualmente importantes.

O momento atual não é o melhor, pois o novo coronavírus segue sem dar sinais de diminuir – a falta de medidas adequadas e o compromisso com o isolamento social agravam o quadro. A segunda vaga já trouxe novas restrições que, embora necessárias, voltam a comprometer as condições de trabalho e saúde da população. Então, como evitar todo esse estresse e pensar no futuro do trabalho?

Não existe uma fórmula mágica, mas o que se pode fazer é mitigar esses impactos com diferentes estratégias. Afinal, o cansaço não é apenas mental, é também físico, o que compromete ainda mais a capacidade produtiva. Portanto, refletir sobre si mesmo e praticar a sustentabilidade emocional é uma das formas de economizar energia sem interferir nas tarefas diárias, sugerem os especialistas. Também há dicas para reduzir o cansaço, ergonomia, espaço físico, saúde mental, produtividade e organização.

Estudos mostram que apenas 11 minutos de exercícios físicos já melhoram o condicionamento corporal, com atividades em que é aproveitado o próprio peso corporal. Além do ambiente de trabalho, a casa também se tornou uma academia, mas o simples exercício, associado a alguma prática de relaxamento se tornaram ainda mais importantes para compensar as longas horas no computador.

Dessa forma, também cabe às empresas promover um ambiente favorável aos seus colaboradores, mesmo que remotamente, no home office. É imprescindível criar ou ampliar uma cultura organizacional acolhedora, aberta à discussão de vulnerabilidades e soluções, e que supervisione o descanso e não apenas o trabalho.

Hipnose para ansiedade e burnout

Hoje, o uso da hipnose para a ansiedade é cada vez mais visto como uma forma de terapia extremamente eficaz. No Brasil, os conselhos de medicina e psicologia reconhecem a hipnose como uma ferramenta adequada para tratar vários tipos de dificuldades emocionais.

Saiba mais sobre como a terapia por hipnose pode aliviar a ansiedade.

Glossário

Ansiedade: é caracterizada por uma preocupação excessiva com relação a situações cotidianas. A ansiedade pode ser considerada normal ou como um indicador de patologia quando seus sintomas se tornam persistentes.

Burnout: A principal característica do burnout é um estado de exaustão plena, causado por condições físicas e emocionais intensas. Ela se manifesta principalmente em profissionais com envolvimento interpessoal direto e constante.

Saiba mais sobre o uso da hipnose no alívio da ansiedade clicando aqui.

Fonte de Pesquisa: Jornal o Estado de São Paulo