Hipnose – O Grande Guia do Hipnotismo

Hipnose – O Grande Guia do Hipnotismo – Entenda a Hipnoterapia

Entenda a hipnose e hipnoterapia através do seu desenvolvimento, desde sua origem até os dias atuais. Um guia com tudo que você precisa saber sobre hipnose.

Origens da Hipnose

A hipnose desde o seu surgimento, até os dias de hoje, tem sido relacionada com a superstição e as crenças por parte de uns e objeto de interesse científico por parte de outros. Como fenômeno psicológico existe como qualquer outro: desde que existe a humanidade que é possível encontrar antecedentes seja na pré-história, seja no seu uso dentro de rituais tribais. Em algumas pinturas rupestres, apreciam-se pessoas extraindo dentes ou fixando ossos a outras, aparecendo atributos mágicos como raios saindo dos olhos ou os dedos. Antes do Neolítico falava-se de “entrada em transe para contatar com os espíritos” quando se realizavam as curas. Tinham “poderes” inatos para curar e induzir êxtases com visualizações.

Hipnose na Antiguidade – Egito, Grécia e Roma

Métodos de indução utilizados na antiguidade, no Egito, consistiam na fixação ocular, assim como lugares “de sono” situados nos templos, onde era colocada a pessoa enferma durante nove dias, para posteriormente se lhe induzir o transe, momento no qual, a deusa Isis lhe oferecia o diagnóstico e tratamento para a sua doença. Através do “sono magnético”, que era interpretado pelos curadores, guiavam-se as pessoas que ali vinham para solucionar os seus problemas ou ser curados. Posteriormente, estes métodos estenderam-se à Grécia e Roma.

As técnicas utilizadas nos templos de sono do Egito, Grécia e Roma são muito similares às utilizadas por Mesmer (1- imposição de mãos, 2- utilização de objetos magnéticos, 3- água especialmente preparada, 4- fixação da atenção visual, e 5- encantamentos rítmicos e diversas formas de música). Ainda que herdando a tradição dos templos de sono egípcios, na antiga Grécia (427-347 a.c.) desenvolveram-se sistemas terapêuticos mais formais e rigorosos. Platão propôs a palavra sugestão para obter a ordem e a harmonia de que carece o doente. Aristóteles (384-322 a.c.), por seu turno, usou a retórica como persuasão verbal e a poética como tratamento psicológico.

Abu Ali Huceine ibne Abdala ibne Sina – conhecido pelo seu nome latinizado Avicena (980 – 1037)

Avicena foi um polímata (pessoa cujo conhecimento não está restrito a uma única área) persa. Ele divulgava que a “imaginação humana tinha poderes e força e só através dela se poderia agir sobre o corpo humano”. A hipnose só começou a perder o tom de misticismo no século 18.

Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim – Paracelso (1493 – 1541)

Adotou o nome de Paracelso ao bacharelar-se em Medicina. Paracelso era médico, alquimista, físico, astrólogo e ocultista suíço-alemão. Ele preconizava a existência dum fluido universal, causa da força de gravidade, magnetismo e eletricidade. Segundo Paracelso, a imaginação é a causa de muitas doenças e a fé tudo cura. Foi o primeiro médico a usar ímãs em seu trabalho. Muitas pessoas afirmaram ter sido curado após ter passado ímãs sobre seus corpos.

Johann Joseph Gassner (1727- 1779)

Nascido na Áustria, Gassner foi um famoso exorcista. Enquanto exercia função de padre católico em Klösterle ele ganhou grande celebridade, professando a condição de “expulsar demônios” e realizava curas sobre os enfermos por meio de oração. Ele foi acusado de impostor, mas o bispo de Regensburg, acreditando em sua honestidade, deu-lhe a absolvição. Os métodos de Gassner têm sido associados a uma forma especial de tratamento hipnótico. Ele é reconhecido como um antecessor da moderna hipnose.

Na Idade Média, tudo aquilo que não podia ser explicado com a ciência era colocado no domínio do esotérico ou do religioso, e eram levados a cabo rituais de exorcismos., um frade, destacou-se por estas práticas, mesmo usadas para os casos de dores de cabeça e vertigens.

Franz Anton Mesmer (1734 – 1815)

O médico alemão Franz Mesmer se baseou em teorias sobre a cura pelo magnetismo, voltando a Paracelso, para desenvolver seu conceito de “magnetismo animal”, o principal precursor do hipnotismo. No entanto, o próprio Mesmer nunca hipnotizou ninguém, mas acreditava que ele se curara canalizando um tipo de “magnetismo” sobrenatural no corpo de seus pacientes, que parecia capaz de induzir uma “crise emocional”. Sua teoria e práticas foram adotadas e modificadas por muitos seguidores. Depois que Mesmer se mudou para a França, seus métodos se tornaram objeto de várias investigações de comitês científicos que se pronunciaram contra sua teoria do magnetismo animal, concluindo que os efeitos eram devidos à crença e à imaginação.

Armand-Marie-Jacques de Chastenet, marquês de Puységur (1751 – 1825)

Este francês seguidor de Mesmer, o marquês de Puységur, iniciou tentativas de induzir um estado chamado “sonambulismo artificial” em seus pacientes, em vez de crises emocionais. Embora ele ainda concebesse isso como uma espécie de processo sobrenatural, a indução de um estado semelhante ao sono prefigurava os métodos posteriores de hipnotismo.

José Custódio de Faria, mais conhecido por Abade Faria (1756 – 1819)

Abade Faria, foi um religioso e cientista luso-goês que se destacou como um dos primeiros estudiosos da hipnose. Estudou a prática do “magnetismo animal” com o Marquês de Puységur e foi forte crítico da teoria do “fluido magnético” que era proposta por Franz Anton Mesmer, em oposição à sua teoria de hipnose por sugestão. As teorias do Abade Farias foram devidamente argumentadas com fundamentos científicos. Ele foi o primeiro a evidenciar o caráter puramente natural da hipnose e o primeiro a descrever detalhadamente e cientificamente a metodologia, os efeitos do magnetismo, e afirmava mesmo que o magnetismo por sugestão era um tratamento recomendado para doenças nervosas. Foi autor do livro De la Cause du Sommeil Lucide ou Étude de la Nature de l’Homme, obra matricial do hipnotismo científico.

John Elliotson (1791 – 1868)

De longe o mais influente mesmerista inglês, Elliotson, professor de medicina na Universidade de Londres, também foi um oponente agressivo de Braid e hipnotismo. Elliotson fundou e editou a revista Mesmeric The Zoist se envolveu em um feroz debate com Thomas Wakely, editor do Lancet , que o acusou de ser um charlatão depois de uma série de experiências usando seus principais temas de demonstração, as irmãs Okey, falhou em apoiar seus alegações relativas ao magnetismo animal.

James Braid (1795 – 1860)

O médico e pesquisador britânico James Braid era um crítico apaixonado do mesmerismo, que ele via como uma teoria pseudocientífica e sobrenatural. Ele modificou as técnicas dos mesmeristas e cunhou os termos “hipnotismo” e “terapêutica hipnótica” para descrever sua abordagem, que trabalhou com atenção e sugestões focadas, em vez de postular qualquer força misteriosa como o magnetismo animal. Trança é, portanto, normalmente considerado o pioneiro do hipnotismo em oposição ao mesmerismo.

Como já mencionado, o termo “hipnose” (grego hipnos = sono + latim osis = ação ou processo) foi criado por Braid. Ele acreditava que o estado de hipnose era uma espécie de sono induzido (Hipnos era também o nome do deus grego do sono). Algum tempo depois de cunhar este termo, ele se arrependeu, pois percebeu que cientificamente a hipnose não poderia ser comparada ao sono, sendo na realidade um estado justamente oposto, de intensa atividade psíquica e mental. Mas a palavra hipnose já estava consagrada, sendo assim empregada até hoje.

James Esdaile (1808 – 1859)

O cirurgião escocês James Esdaile, durante seu longo período de permanência na Índia, realizou um pioneiro trabalho com as técnicas de Mesmer no alívio da dor na prática cirúrgica. Ele realizou centenas de operações usando o hipnotismo como seu único recurso anestésico (relatado em seu livro – Mesmerism in India, and its practical application in surgery and medicine – 1847).

Esdaile é considerado por muitos como pioneiro no uso da hipnose para anestesia cirúrgica na época imediatamente anterior à descoberta do clorofórmio por James Young Simpson. Hoje ele tem seu nome associado a um estado de transe específico. O estado Esdaile, ou coma hipnótico, é um estado de hipnose muito profundo e muito relaxante, que tem como característica a analgesia, ou seja, o alívio espontâneo da percepção da dor.

Ambroise-Auguste Liébeault (1823 – 1904)

Este médico francês é considerado o pai da moderna hipnoterapia. Liébeault enfatizou o poder psicológico da sugestão e combinou elementos do hipnotismo de Braid com o mesmerismo posterior. Ele fundou a influente Escola de Hipnotismo de Nancy, juntamente com Bernheim.

Jean-Martin Charcot (1825 – 1893)

O médico francês Jean-Martin Charcot gozava de grande renome por conta de seus avanços nos campos da neurologia e da psiquiatria. O cientista tinha identificado e nomeado uma porção de males neurológicos, entre eles o aneurisma cerebral. Era capaz de diferenciar doenças físicas de distúrbios mentais. Além disso, ele tinha resgatado a hipnose para fazer dela uma ferramenta para combater uma variedade de sintomas.

Charcot focava a noção de hipnotismo como um estado fisiológico encontrado em condições patológicas (histeria). Suas ideias foram mais influenciadas pelos mesmerismos e pelos primeiros escritos de Braid do que pelos seus trabalhos posteriores. Sua “Escola de Paris” se envolveu em um feroz debate com a Nancy School of Bernheim, que Bernheim acabou vencendo. As opiniões de Charcot sobre o hipnotismo foram amplamente descartadas como incorretas.

Hyppolyte Bernheim (1840 – 1919)

Este médico neurologista francês tornou-se seguidor de Liébeault, cujos métodos ele adotou e desenvolveu em vários livros. Bernheim acrescentou grande credibilidade ao modelo psicológico do hipnotismo e reviveu o interesse no legado de Braid em contraste com o mesmerismo.

Surgimento na França de duas escolas de pensamentos centradas na hipnose com teorias bem distintas – Escola de Salpêtrière, também conhecida como Escola de Paris (1882) e Escola de Nancy (1866)

A escola de pensamento Salpêtriere (Paris), liderada por Jean-Martin Charcot (1835-1893), acreditava que a hipnose era um estado patológico de dissociação. Ele comparava o transe ao processo histérico e a anormalidades no sistema nervoso. Apesar de suas teorias terem grande aceitação do mundo cientifico sua reputação enfraqueceu quando suas idéias foram reprovadas pela escola Nancy. Um dos médicos que demonstrava interesse pelo trabalho de Charcot foi o medico Sigmund Freud.

Charcot acreditava que o hipnotismo poderia ser alcançado através de pressões em certas partes do corpo, ou seja, por meios totalmente físicos. Também utilizava fortes ruídos como o toque do gongo e técnicas utilizando luzes rítmicas como indução hipnótica.

A escola Nancy liderada por Auguste A. Liebeault (1823-1904) e Hipolyte Bernheim (1840-19191). Liebeault defendia as teorias de Braid, acreditava que todos os fenômenos hipnóticos eram de origem subjetiva. Este é o motivo de ele ser conhecido até hoje como o “Pai da Hipnose Moderna”, não se reteve no uso da hipnose unicamente na medicina, foi um medico muito importante para ampliação do uso da hipnose na terapia. Talvez o primeiro a usar o comando “durma”.

Ivan P. Pavlov (1849 – 1936)

Fisiologista russo vencedor do Prêmio Nobel. As experiências de Pavlov em reflexos condicionados em animais concluíram com uma teoria da psicopatologia e psicoterapia humana, baseada em um modelo fisiológico do hipnotismo. Por volta de 1880, Rudolf Heidenhain, então professor de Fisiologia e Histologia da Universidade de Breslau, estudou experimentalmente fenômenos hipnóticos. Heidenhain explicou a hipnose fisiologicamente, em termos de inibição cortical. Posteriormente, I P Pavlov, que em 1877 e novamente em 1884 era aluno de Heidenhain em Breslau, encontrou fenômenos hipnóticos durante experimentos reflexos condicionais. Em 1910, Pavlov descreveu estados hipnóticos e os explicou (como Heidenhain três décadas antes), em termos de inibição parcial do córtex. Como os conceitos de inibição e excitação são pedras angulares da teoria da atividade nervosa superior de Pavlov, é de interesse histórico destacar as influências que levaram Pavlov a incorporar o conceito de inibição em sua teoria.

Sigmund Freud (1856 – 1939)

O médico neurologista e psiquiatra austríaco Sigmund Freud é conhecido como o criador da psicanálise.

Em março de 1885, Freud conseguiu uma bolsa de estudos de seis meses em Paris. Foi onde conheceu Jean Martin Charcot, médico que gozava de grande renome por conta de seus avanços nos campos da neurologia e da psiquiatria.

Freud ficou encantado com Charcot. Em cartas enviadas para a noiva, definiu o médico francês como “estimulante, instrutivo e brilhante”. O uso da hipnose por Charcot era simples. Ele primeiro colocava os pacientes em estado hipnótico. Depois, ordenava que, ao acordar, o doente não apresentasse mais determinado sintoma. Após a ordem, o paciente era acordado. Na maioria das vezes, o sintoma realmente desaparecia, sem que o enfermo soubesse o motivo. Era a técnica da sugestão hipnótica direta. Freud percebeu que, se a sugestão hipnótica era capaz de livrar os pacientes dos sintomas, a histeria não era uma doença fisiológica com origem no útero, mas um mal psicológico. Desbravar esse terreno oculto passou a ser seu grande objetivo de vida.

Quando retornou de Paris a Viena, Freud pediu demissão do hospital e abriu um consultório de psiquiatria. Até então, casos de histeria eram tratados com massagens, banhos quentes, choques elétricos e medicamentos. Freud fez da hipnose sua principal arma para aliviar os sintomas dos pacientes.

Em 1889, Freud viajou novamente para a França, dessa vez para Nancy, onde foi aprimorar sua técnica de hipnose com o neurologista Hyppolyte Bernheim. E foi Bernheim quem mostrou a Freud que memórias traumáticas podiam ser resgatadas da mente de pacientes em transe. O médico francês dizia que, em condições normais, os doentes mantinham uma vigília que os impedia de rememorar certos episódios. O transe hipnótico derrubava a barreira. Então bastaria pedir insistentemente para que os doentes se lembrassem do trauma. Essa hipótese ajudou Freud a pressupor uma mente dividida em níveis, com algumas lembranças mais escondidas que outras. Freud estava descobrindo o inconsciente, teoria que iria desenvolver melhor ao lançar as bases da psicanálise.

A hipnose ajudou Freud a pressupor uma mente dividida em níveis, com algumas lembranças mais escondidas que outras. Ele estava descobrindo o inconsciente. Mas seu principal estimulo foi a parceria que manteve em Viena por dez anos com o médico Josef Breuer, que também tratava casos de histeria com a ajuda da hipnose. Bernheim, percebeu que sob hipnose os pacientes conseguiam se lembrar de traumas. Mas ele não perguntava diretamente ao hipnotizado sobre os episódios, apenas pedia ao paciente para falar tudo que passasse pela sua cabeça. À medida que o hipnotizado falava algumas coisas, o terapeuta atuava como investigador. Pedia para o doente em transe falar mais sobre determinado fato e conduzia o paciente até as lembranças negativas. Era o chamado método catártico, em que os sintomas da histeria desapareciam após o paciente em transe recordar as situações em que os distúrbios surgiram.

Funcionava! O problema era que, passado algum tempo, as crises voltavam. Freud concluiu que a melhora era passageira porque, ao sair do transe, as pessoas não lembravam mais do que haviam externalizado quando estavam hipnotizadas. Para Freud, isso fazia do paciente “um viciado dessa espécie de terapia”.

Freud decidiu procurar um novo método de investigação. Com a técnica da associação livre, o médico pedia ao paciente, agora consciente e deitado em um divã, para falar o que viesse à sua mente, permitindo ao analisado expor temores, desejos, pensamentos, sonhos e lembranças. Freud foi duro ao refletir sobre a hipnose em 1918. “O tratamento pela hipnose é um procedimento inútil e sem sentido”, disse em carta para a filha ao relembrar o trabalho feito com Emmy. A psicologia, no entanto, iria redescobrir a hipnose no século 20.

Emile Coué (1857 – 1926)

O psicólogo e farmacêutico francês Emile Coué trabalhou brevemente como assistente na clínica hipnótica de Liébeault antes de desenvolver gradualmente sua própria teoria contrastante de “sugestão automática de consciência”. Após a morte de Liébeault, ele anunciou a fundação da New Nancy School, que enfatizava mais a auto-ajuda, treinando clientes no uso de sugestões automáticas, e abandonou qualquer pretensão de induzir um estado ou transe de sono. Coué se tornou uma espécie de celebridade e percorreu a Europa e a América dando seminários sobre seu método de auto-ajuda.

Pierre Janet (1859 – 1947)

Janet foi um psiquiatra e filósofo francês, que treinou hipnose com Charcot. Hoje, ele é considerado um pioneiro da psicoterapia. Janet cunhou o termo “subconsciente” e enfatizou o conceito de dissociação psicológica. Seu método de psicoterapia centrou-se no uso do hipnotismo e suas opiniões influenciaram muito os psicoterapeutas posteriores.

Boris Sidis (1867-1923)

Sidis foi um psicólogo, psiquiatra e médico estadunidense, nascido na Ucrânia. Por aproximadamente três décadas ele estudou hipnose clínica e experimental. Como um prolifero escritor e teórico, publicou de 1898 até 1922 cerca de uma dúzia de livros sobre hipnose e seu emprego em psicopatologias.

Clark L. Hull (1884 – 1952)

Hull foi presidente da American Psychological Association e uma das figuras mais influentes da psicologia comportamental. No início de sua carreira, sua equipe de pesquisa realizou um programa sistemático de pesquisa de laboratório sobre hipnotismo publicado em Hypnosis & Suggestibility (1933), amplamente considerado como o primeiro grande texto científico sobre hipnose. Seu trabalho inspirou pesquisadores psicológicos subsequentes a investigar a hipnose.

Primeiro Congresso Internacional de Hipnotismo Terapêutico e Experimental (1889)
O Primeiro Congresso Internacional foi realizado em Paris, França, de 8 a 12 de agosto de 1889. Entre os participantes estavam Jean-Martin Charcot , Hippolyte Bernheim , Sigmund Freud e Ambroise-Auguste Liébeault. O segundo congresso foi realizado de 12 a 16 de agosto de 1900.

Associação Médica Britânica – Aprovação do uso terapêutico da hipnose (1892)

A British Medical Association é a associação profissional e registrada para doutores/médicos do Reino Unido. Foi fundada em 1832 e conta atualmente com mais de 140 mil associados. A Reunião Anual da BMA em 1892 aprovou por unanimidade o uso terapêutico da hipnose, como também rejeitou a teoria do mesmerismo (magnetismo animal). Embora a BMA tenha reconhecido a validade da hipnose, as faculdades de medicina e as universidades ignoraram amplamente este assunto.

Dave Elman (1900 – 1967)

Foi um notável apresentador de rádio, comediante e compositor americano, e uma figura importante no campo da hipnose. Em 1949, Elman decidiu seguir o ensino da hipnose para médicos e dentistas. De 1949 a 1962, ele viajou extensivamente por toda a América, ensinando seu curso de hipnose como uma série de lições chamadas “Relaxamento Médico”, que ele publicou como gravações em áudio. Ele também gravou uma série de gravações intituladas “Hypno-Analysis”, que eram sessões reais de hipnose que ele referenciou em seu curso.

Em 1963, após uma longa doença, ele decidiu escrever suas descobertas sobre o assunto. Era um livro de 336 páginas que ele ditou para sua esposa, Pauline, uma estenógrafa, e depois deu a seu filho Robert Elman, autor e editor, para editar. Ele protegeu os direitos autorais e publicou o livro em 1964 sob o título Findings in Hypnosis, renomeado em 1977 para Hypnotherapy. Seu processo de hipnose, conhecido como indução de Dave Elaman, é reconhecido como um método rápido e eficaz de se colocar um paciente em transe hipnótico, sendo hoje amplamente adotado por hipnoterapeutas que utilizam a hipnose clássica.

Milton Erickson (1901 – 1980)

Erickson foi um psiquiatra estadunidense especialista em terapia familiar sistêmica e uma das autoridades mundiais nas técnicas de hipnose aplicadas à psicoterapia. Foi fundador e presidente da Sociedade Americana de Hipnose Clínica, membro da Associação Americana de Psiquiatria, Associação Americana de Psicologia e da Associação Americana de Psicopatologia.

Entre as contribuições de Erickson está a sua influência na programação neurolinguística que foi baseada, em parte, em seus métodos de trabalho. Ele é creditado por desenvolver o uso da sugestão “indireta” em hipnoterapia em uma extensão muito maior do que os autores anteriores e, assim, fundar uma tradição distinta (“hipnose ericksoniana”) no campo da hipnoterapia.

Ernest Hilgard (1904 – 2001)

Hilgard foi um eminente psicólogo e professor americano da Universidade de Stanford (EUA), que desenvolveu as Escalas de Susceptibilidade Hipnótica de Stanford, juntamente com seu colega Weitzenhoffer. Hilgard desenvolveu a teoria da hipnose “neo-dissociationist” e era uma autoridade no controle da dor hipnótica.

André Weitzenhoffer (1921 – 2004)

Psicólogo americano/francês. Weitzenhoffer trabalhou com Ernest Hilgard na pesquisa de hipnose e publicou muitos estudos e o influente livro The Practice of Hypnotism . Weitzenhoffer considerava Bernheim o verdadeiro pai da hipnoterapia moderna e era um crítico das abordagens ericksonianas e cognitivo-comportamentais do hipnotismo.

Theodore Sarbin (1911 – 2005)

Psicólogo americano e professor de psicologia e criminologia na Universidade da Califórnia (EUA). Sarbin, conhecido como “Sr. The Role Theory ”, desenvolveu uma das primeiras escalas de suscetibilidade hipnótica (Friedlander-Sarbin Scale) e realizou pesquisas científicas sobre hipnose a partir da década de 1930. Ele foi um dos primeiros pioneiros da teoria não-estatal da hipnose, que ele interpretou usando o conceito psicológico social de assumir papéis. A pesquisa de Sarbin sobre hipnose inspirou muito mais tarde as teorias “cognitivo-comportamentais” da hipnose.

Martin T. Orne (1927 – 2000)

Nascido na áustria, foi professor de psiquiatria e psicologia da Universidade da Pensilvânia (EUA). A influente pesquisa de Orne sobre “características da demanda” social e hipnose se baseou em elementos da perspectiva do transe e de fora do transe da hipnose. Orne foi pioneiro na pesquisa de falsas memórias e alertou contra o risco de recall distorcido da hipnose, especialmente quando usado em investigações policiais. Ele foi por várias décadas editor da revista mais importante da área – The International Journal of Clinical & Experimental Hypnosis.

Theodore X. Barber (1927 – 2005)

O psicólogo americano Theodore Barber foi um dos pesquisadores mais prolíficos no campo da hipnose. Ele desenvolveu uma abordagem sem transe, influenciada por Sarbin, chamada de teoria “cognitivo-comportamental” da hipnose. Barber e seus colegas produziram um grande conjunto de evidências científicas em favor de sua opinião de que a hipnose não era um “estado especial” ou transe, mas o resultado de processos psicológicos comuns que envolviam cognição e comportamento, como imaginação, motivação e expectativa.

Programação Neurolinguística – PNL (criada na década de 1970)

PNL é uma abordagem que visa aproximar comunicação, desenvolvimento pessoal e psicoterapia. Foi criada por Richard Bandler e John Grinder na California, nos Estados Unidos na década de 1970. Os criadores da Programação Neurolinguística afirmam que existe uma conexão entre os processos neurológicos (“neuro-“), a linguagem (linguística) e os padrões comportamentais aprendidos através da experiência (programação), e que estes podem ser alterados para alcançar informações específicas e metas na vida.

Bandler e Grinder também afirmam que a metodologia de PNL pode “modelar” as habilidades de pessoas excepcionais, permitindo que alguém adquira essas habilidades. Eles defendem também que a PNL pode tratar problemas emocionais, como fobias e ansiedade.

A PNL em si não costuma ser considerada um ramo do hipnotismo, embora muitos hipnoterapeutas a utilizem. No entanto, a PNL não encontrou muito apoio na literatura de pesquisa após uma série de revisões sistemáticas na década de 1980 que puseram em dúvida algumas de suas reivindicações centrais e a controvérsia ainda envolve certos aspectos desta abordagem.

Nicholas P. Spanos (1942 – 1994)

Psicólogo americano, Spanos foi outro pesquisador prolífico que seguiu a tradição “fora do estado de transe” de Sarbin e Barber e desenvolveu métodos de “treinamento de habilidades hipnóticas” que visavam aumentar a capacidade de resposta dos indivíduos ao hipnotismo, treinando-os de acordo com as normas socioeconômicas estabelecidas. Princípios cognitivos, como modelagem de papéis e aprendizado de tentativa e erro, etc. Seu protocolo, desenvolvido na Universidade Carleton, onde ele era professor de psicologia, é conhecido como Programa de Treinamento de Habilidades Carleton (Carleton Skills Training Programme – CSTP).

Continue descobrindo a hipnose

Conheça a história da hipnose no Brasil clicando aqui.

Conheça a ciência por trás da hipnose clicando aqui.

Conheça os riscos e benefícios da hipnose clicando aqui.

Conheça o autor deste artigo clicando aqui.