RISCOS E BENEFÍCIOS DE SE FAZER HIPNOSE


Aplicação Prática da Hipnose


Este artigo sobre a aplicabilidade da hipnose foi preparado por um grupo de trabalho convocado a pedido do Conselho de Assuntos Profissionais da Sociedade Britânica de Psicologia (British Psychological Society - BPS).

Nosso objetivo é apresentar um estudo relacionado à aplicação prática da hipnose em uma variedade de contextos - principalmente para fins clínicos, investigação forense, pesquisa acadêmica, entretenimento e treinamento.

Os membros do grupo de trabalho são os seguintes:

Dr. Michael Heap, Psicólogo Clínico, Hospital Wathwood, Rotherham (Convenor);
Sra. Phyllis Alden, Psicóloga Clínica, enfermaria real de Derbyshire, Derby;
Dr. Richard J. Brown, Psicólogo de Pesquisa, Instituto de Neurologia, Londres;
Dr. Peter Naish, Professor de Psicologia Cognitiva, The Open University;
Dr. David A. Oakley, Professor Sênior em Psicologia, University College London;
Dr. Graham Wagstaff, Reader de Psicologia, Universidade de Liverpool;
Professor Leslie G. Walker, Instituto de Reabilitação, Universidade de Hull.

Tradução para a língua portuguesa (BR): Adolfo Brum, Hipnoterapeuta, São Paulo, Brasil.

Hipnose - Riscos e Benefícios.

Hipnose - Riscos e Benefícios.

Conteúdo


Introdução


A hipnose é um assunto válido para estudos e pesquisas científicas, como também um meio terapêutico comprovado. É importante que questões e controvérsias teóricas e práticas que surjam do estudo e aplicação da hipnose sejam investigadas, explicadas e compreendidas dentro das principais disciplinas científicas relevantes. Este artigo é um resumo do que se sabe sobre a natureza da hipnose de um ponto de vista essencialmente não teórico e aborda questões importantes que surgem de sua prática e aplicação.

Natureza da Hipnose


O termo "hipnose" denota uma interação entre uma pessoa, o "hipnotizador" e outra pessoa ou pessoas, o "sujeito" ou "indivíduos". Nessa interação, o hipnotizador tenta influenciar as percepções, sentimentos, pensamentos e comportamentos dos sujeitos, pedindo-lhes que se concentrem em ideias e imagens que possam evocar os efeitos pretendidos. As comunicações verbais que o hipnotizador usa para obter esses efeitos são denominadas "sugestões". As sugestões diferem dos tipos de instruções cotidianas, pois implicam que uma resposta "bem-sucedida" é experimentada pelo sujeito como tendo uma qualidade involuntariamente ou sem esforço. Os indivíduos podem aprender a seguir os procedimentos hipnóticos por conta própria, e isso é chamado de "auto-hipnose".

Tipos de Sugestões Hipnóticas

Os exemplos de sugestões são os seguintes:

  • Sugestões Ideomotoras
  • A ideia é transmitida por um movimento simples e automático de uma parte do corpo, como um dedo ou braço. A inibição de um movimento também pode ser sugerida, como imobilidade no braço ou catalepsia ocular.

  • Sugestões de Experiências Perceptivas
  • No caso de sugestão sensorial, frieza, dormência, calor ou peso, por exemplo, da mão podem ser sugeridos. Experiências visuais também podem ser sugeridas (por exemplo, 'Seu melhor amigo está sentado na sua frente'). Sugestões semelhantes podem ser oferecidas nas modalidades auditiva, olfativa e gustativa. Na literatura, as respostas a esses tipos de sugestões são às vezes denominadas 'alucinações' para transmitir a qualidade de realidade que o sujeito responsivo costuma relatar.

  • Sugestões de Experiências Complexas
  • Isso inclui sugestões de reviver uma memória antiga ('regressão de idade') e a ideia de progredir no tempo para algum evento futuro. Outras sugestões incluem amnésia para todos ou alguns dos eventos durante a sessão hipnótica e distorção do tempo (a idéia de que o tempo está diminuindo ou acelerando).

  • Sugestões Pós-Hipnóticas
  • Como qualquer uma das sugestões acima, pode-se estipular que a resposta deve ocorrer após a conclusão sessão da hipnose.

Diferenças Individuais na Capacidade de Resposta (Suscetibilidade)

As pessoas diferem no grau em que respondem a esses procedimentos e sua capacidade de resposta pode ser medida por escalas psicométricas padronizadas.

A Indução Hipnótica

Uma sessão de hipnose normalmente começa com uma "indução hipnótica". Isso geralmente consiste em uma série de sugestões que orientam os sujeitos a relaxar e a se absorver em suas experiências internas, como sentimentos, pensamentos e imagens. Durante a auto-hipnose, os sujeitos passam por esse processo sob sua própria direção.

O procedimento de indução hipnótica é considerado importante por muitos hipnotizadores, que argumentam que é a presença desse procedimento que realmente define um contexto como um envolvendo 'sugestão hipnótica', em vez de 'sugestão sem hipnose', ou o que às vezes é referido como 'sugestão de vigília'.

A Importância do Contexto

As maneiras pelas quais os sujeitos respondem às sugestões e experimentam suas respostas dependem fortemente das demandas e expectativas criadas pelo hipnotizador e do contexto em que as sugestões são dadas - clínica, laboratório, entrevista forense, no palco e em um curso de treinamento.

O Conceito de "Transe Hipnótico"

Tradicionalmente, considerou-se que a indução hipnótica coloca o sujeito em um estado alterado especial de consciência ou "transe", cuja propriedade é uma maior capacidade de resposta às sugestões. A pesquisa moderna questionou a validade dessa maneira de pensar sobre a hipnose.

Resumos de pesquisas e teorizações relevantes podem ser encontrados nos textos editados por Fromm & Nash (1992) e Lynn & Rhue (1991) e, mais recentemente, em artigos de Barber (2000) e Lynn & Sherman (2000).

Embora estudos tenham mostrado mudanças psicológicas e fisiológicas confiáveis após a hipnose e em resposta a sugestões (Barabasz et al. , 1999; Crawford, Knebel & Vendemia, 1998; De Pascalis, 1999; Gruzelier, 1998), muitos argumentariam que isso não foi convincente. Demonstraram que essas alterações são exclusivas da hipnose ou sugestão hipnótica. Atualmente, essa área é objeto de investigação experimental em vários centros de pesquisa.

Apesar disso, o conceito de "transe" pode ser um termo útil para denotar o estado de absorção e desapego internos das realidades imediatas que geralmente são incentivadas pela indução hipnótica e frequentemente relatadas pelo sujeito. Nesse sentido, pode ser muito semelhante às experiências cotidianas de "transe", por exemplo, quando alguém é absorvido por alguma música ou devaneio ou absorvido por um livro.

Esse estado de absorção não parece necessário para uma resposta bem-sucedida sugerida (Kirsch, 1991), mas pode ser que ele tenha algum efeito aprimorador na sugestionabilidade, embora isso ainda esteja bem estabelecido empiricamente.

Por outro lado, há boas evidências de que outros fatores, como expectativa e motivação aprimorada, contribuem de maneira importante para o aumento da sugestionabilidade frequentemente observado quando o contexto foi definido como 'hipnose' pela administração de algum tipo de procedimento de indução (Barber & Calverley , 1963a, 1963b, 1965; Glass & Barber, 1961; Kirsch, 1991; Orne, 1959).

Seja qual for o caso, embora possam ficar muito absorvidos pelas ideias e imagens sugeridas, os sujeitos normalmente mantêm a consciência do ambiente e respondem adequadamente a ele. Posteriormente, eles geralmente conseguem se lembrar da maioria, se não de tudo, do que assistiram durante a sessão.

A relação entre hipnose e memória será discutida em mais detalhes no devido tempo.

Hipnose e Vontade

Os procedimentos hipnóticos não são capazes de fazer com que as pessoas cometam atos contra sua vontade. No entanto, as demandas do contexto em que os procedimentos ocorrem podem exercer pressão sobre o sujeito para cumprir as instruções do hipnotizador.

Além de estudos sobre a natureza coercitiva do experimento psicológico em si, as evidências para as afirmações acima vêm de estudos sobre hipnose de Levitt et al. (1975), O'Brian e Rabuck (1976) e Orne e Evans (1965).

Conclui-se que qualquer alegação de que a hipnose levou uma pessoa a se envolver em atividades contra sua vontade deve ser avaliada a partir de uma cuidadosa consideração das influências não hipnóticas presentes no contexto (Heap, 1995a; Hoëncamp, 1989; Orne, 1972).

Natureza da hipnose.

Natureza da hipnose.

Pesquisa Experimental sobre Hipnose


A hipnose é usada em contextos experimentais como o objeto de investigação por si só ou como uma ferramenta para explorar outros fenômenos psicológicos, como dor, memória, alterações sensoriais ou controle voluntário do comportamento. Mais recentemente, a hipnose tem sido cada vez mais usada em estudos de neuroimagem (principalmente PET) como um meio de manipular a experiência subjetiva (Rainville et al. , 1997).

Não há evidências claras de que os participantes de estudos laboratoriais de hipnose apresentem um risco significativamente maior de efeitos adversos do que em outros tipos comuns de pesquisa psicológica.

Em estudos laboratoriais, verificou-se que a maioria dos participantes que sofrem de hipnose por si só ou como parte de um estudo experimental relatam efeitos positivos, particularmente relaxamento. Uma minoria de participantes (as estimativas variam de 8 a 49%) nessas condições relatam efeitos negativos (por exemplo, dores de cabeça, tontura, náusea, rigidez do pescoço: Brentar & Lynn, 1989; Crawford, Hilgard & Macdonald, 1982; Lynn, Martin, & Frauman, 1996), mas estes não são relatados com mais frequência do que após procedimentos psicológicos experimentais que não envolvem hipnose (por exemplo, um experimento de aprendizado verbal: Brentar et al.1992; Lynn, Myer e Mackillop, 2000). Além disso, não há relação demonstrável entre hipnotizabilidade e ocorrência de efeitos colaterais negativos (Lynn, Myer e Mackillop, 2000). Nas populações estudantis, menos efeitos colaterais negativos são relatados após procedimentos de hipnose do que após outras atividades da faculdade, como assistir a uma palestra ou fazer um exame. De fato, a hipnose é classificada como a experiência mais agradável quando comparada a essas outras atividades (Lynn, Myer e Mackillop, 2000).

Também há evidências de que investigações envolvendo procedimentos prolongados e tediosos, como PET e ressonância magnética, são consideradas pelos participantes como sendo mais toleráveis quando a hipnose é usada (Friday & Kubal, 1990).

Como em todos os procedimentos experimentais envolvendo seres humanos, as investigações em que a hipnose deve ser usada devem ser primeiramente aprovadas pelo Comitê de Ética em Pesquisa apropriado.

O procedimento ético deve indicar claramente que a hipnose poderá ser usada e os procedimentos hipnóticos devem ser claramente descritos. Papéis com informações e os formulários de consentimento do participante devem sempre ser usados e devem indicar o que se sabe sobre o risco de efeitos secundários negativos em comparação com outros procedimentos, e enfatizar o fato de que o participante é livre para encerrar o procedimento a qualquer momento, sem precisar dar uma razão.

Embora não haja evidências de que a hipnose represente riscos maiores para os participantes do que outros procedimentos psicológicos, os pesquisadores devem estar cientes de que quaisquer efeitos secundários negativos que possam ocorrer provavelmente serão atribuídos pelos participantes e outros ao uso da hipnose, e não a outros fatores relacionados à situação experimental ou aos próprios participantes.

Os experimentadores também devem estar cientes de que alguns tipos de sugestões dadas durante a hipnose podem tornar algumas pessoas mais propensas à criação de memórias falsas (veja abaixo) e que a hipnose pode melhorar as respostas afetivas a alguns estímulos, particularmente aqueles relacionados ao passado do participante (Nash, 1987).

Pesquisa experimental sobre hipnose.

Pesquisa experimental sobre hipnose.

Hipnose e Memória


Tradicionalmente, a hipnose tem sido associada à memória de duas maneiras: a criação de amnésia (perda de memória) e hipermnésia (aprimoramento da memória).

Relatos de indivíduos com amnésia, devido à perda normal de memória, podem ocorrer durante e após as sessões de hipnose. Relatos de amnésia profunda e espontânea (isto é, não sugerida) durante e após a hipnose são comparativamente raros. Em vez disso, a maior parte da amnésia hipnótica ocorre seguindo sugestões específicas para esquecer dadas pelo hipnotizador. O material esquecido normalmente pode ser recuperado após um sinal previamente combinado do hipnotizador, indicando que o fenômeno envolve uma interrupção da recuperação da memória, em vez de codificação. Se esse sinal não for dado, a amnésia tenderá a se dissipar com tentativas sucessivas de lembrar. A proporção de sujeitos que respondem a uma sugestão de amnésia pós-hipnótica depende das medidas adotadas; em testes padrão, quando a reversibilidade é levada em consideração,

Os pesquisadores discordam sobre os mecanismos exatos envolvidos na produção de amnésia hipnótica. Alguns argumentam que os indivíduos amnésicos perderam temporariamente o controle de seus processos de memória, e isso é apoiado pelos próprios relatórios subjetivos dos participantes (Cooper, 1972: Hilgard, 1986; Kihlstrom, 1978). Outros apontam evidências de que muitos indivíduos amnésicos rompem a amnésia quando estão sobre pressão para se lembrar, ou quando a expectativa de romper é criada, indicando assim que eles estão respondendo aos efeitos da expectativa ou estão envolvidos em tentativas ativas de esquecer (Coe & Sluis, 1989; Wagstaff e Frost, 1996).

A alegação de que a hipnose pode ter propriedades hipermnésicas levou ao seu uso pelas forças policiais em vários países, na tentativa de melhorar a memória das testemunhas de crimes. Normalmente, no entanto, as entrevistas de hipnose forense empregam uma variedade de técnicas que, na ausência de hipnose, podem ser úteis para ajudar as testemunhas a se lembrarem de detalhes. Isso inclui restabelecer o contexto e permitir relatórios espontâneos e ininterruptos. A questão importante, portanto, é: O que os procedimentos hipnóticos acrescentam às técnicas de aprimoramento de memória?

Pesquisas experimentais sugerem que a adição de hipnose geralmente não afeta a memória (American Medical Association, 1985; Heap, 1988), mas quando existem efeitos, eles tendem a limitar-se a situações que exigem que os participantes lembrem-se espontaneamente de materiais significativos, como os crimes filmados e incidentes encenados (Lynn & McConkey, 1998; Wagstaff, 1999). Nesses casos, os principais efeitos podem ser:

(i) Aumento de relatórios de informações corretas e incorretas; portanto, embora os participantes possam se lembrar de informações mais corretas, eles não são mais precisos e, de fato, às vezes a hipnose pode ter um efeito prejudicial na precisão; e

(ii) Maior confiança dos participantes na correção de seus relatórios, mesmo que eles sejam imprecisos.

Devido aos problemas associados a esses efeitos (American Medical Association, 1985), alguns estados dos EUA proibiram de testemunhar em tribunais testemunhas que foram entrevistadas anteriormente usando hipnose. No Reino Unido, essa proibição não está em vigor, mas em 1987 o Ministério do Interior introduziu um conjunto de diretrizes sobre o uso da hipnose pela polícia para fins de entrevista (Ministério do Interior, 1987). Nestas diretrizes, argumenta-se, por exemplo, que a precisão das informações obtidas com a hipnose deve ser tratada com o máximo cuidado; portanto, a hipnose deve ser usada apenas em casos graves como último recurso, quando todos os outros métodos de investigação falharam. Além disso, suspeitos de crimes não devem ser submetidos à hipnose sob nenhuma circunstância e uma testemunha que possa ser chamada a prestar depoimento em tribunal não deve ser normalmente considerada para hipnose. Em relação aos procedimentos, as diretrizes afirmam que, se a hipnose for empregada, ela deve ser conduzida por um psiquiatra ou psicólogo clínico adequadamente qualificado, e toda a entrevista deve ser gravada em vídeo.

Posteriormente, em 1988, o Ministério do Interior emitiu uma circular afirmando mais definitivamente que, devido aos riscos associados ao seu uso, a hipnose deve ser desencorajada como ferramenta nas investigações policiais (Ministério do Interior, 1988).

Em resumo, não há fortes evidências de que a introdução de procedimentos hipnóticos aprimore com precisão a memória de uma testemunha de um crime. Em vez disso, a hipnose pode resultar em falsas lembranças e confiança equivocada na lembrança. Consequentemente, se a hipnose é usada para fins de investigação, qualquer evidência elicitada (provocada) deve ser tratada com o máximo cuidado.

Hipnose e memória.

Hipnose e memória.

Hipnose em Terapia


O uso terapêutico da hipnose remonta às práticas de Franz Anton Mesmer no século XVIII. No entanto, somente em meados do século XIX essas práticas começaram a se parecer com as usadas pelos terapeutas atualmente.

Natureza Geral dos Procedimentos Hipnoterapêuticos

As abordagens hipnoterapêuticas geralmente envolvem métodos de indução e aprofundamento que geralmente enfatizam o relaxamento mental e físico, e um ou mais dos seguintes:

(i) Sugestões para incentivar as mudanças desejadas na percepção, sentimentos, pensamento e comportamento;

(ii) Sugestões e técnicas de imagens guiadas para explorar possíveis problemas e conflitos subjacentes às queixas apresentadas;

(iii) O uso da auto-hipnose pelo cliente ou paciente para ensaiar o relaxamento e outros métodos de autocontrole.

A hipnose é melhor entendida como um conjunto de procedimentos que podem ser usados pelo profissional para aumentar suas abordagens terapêuticas para problemas que se enquadram no escopo de seu trabalho profissional.

Os procedimentos hipnoterapêuticos se assemelham e se sobrepõem a outros métodos terapêuticos, como terapia comportamental, meditação, terapia de relaxamento, treinamento autogênico e técnicas de imagens guiadas. Portanto, não é incomum que dois terapeutas usem procedimentos muito semelhantes, um chamando-os de 'hipnose' e o outro usando um dos termos mencionados acima.

Aplicações da Hipnose na Terapia e Evidência de sua Eficácia

Embora os relatos das aplicações clínicas da hipnose tenham sido publicados em livros e revistas nos últimos 150 anos, apenas nos últimos 30 anos foram feitas sérias tentativas para avaliar o resultado de procedimentos hipnóticos em grupos de pacientes com problemas específicos. Nesses estudos, os procedimentos hipnóticos constituíram o principal componente do tratamento e normalmente foram direcionados diretamente para o alívio dos sintomas.

Estudos suficientes já se acumularam para sugerir que a inclusão de procedimentos hipnóticos pode ser benéfica no manejo e tratamento de uma ampla gama de condições e problemas encontrados na prática da medicina, psiquiatria e psicoterapia. Em muitos casos, no entanto, a contribuição relativa de fatores específicos para a hipnose ainda não está clara, e muitas vezes a influência no resultado da susceptibilidade hipnótica medida dos pacientes é pequena ou insignificante.

Os resultados da pesquisa clínica podem ser resumidos da seguinte forma:

Existem evidências convincentes de que os procedimentos hipnóticos são eficazes no tratamento e no alívio da dor aguda e crônica e no alívio da dor, desconforto e angústia devido a procedimentos médicos e odontológicos (Blankfield, 1991; Genuis, 1995; Lang, Benotsch et al. , 2000; Lang, Joyce et al. , 1996; Montgomery, DuHamel & Redd, 2000; Walker et al. , 1991) e parto (Brann & Guzvica, 1987; Freeman et al. , 1986; Jenkins & Pritchard, 1993).

A hipnose e a prática da auto-hipnose podem reduzir significativamente a ansiedade geral, a tensão e o estresse de maneira semelhante a outros procedimentos de relaxamento e auto-regulação (Schoenberger, 2000). Da mesma forma, o tratamento hipnótico pode auxiliar na insônia da mesma maneira que outros métodos de relaxamento (Anderson, Dalton e Basker, 1979; Stanton, 1989).

Existem evidências encorajadoras demonstrando os efeitos benéficos dos procedimentos hipnoterapêuticos no alívio dos sintomas de uma série de queixas que se enquadram no título 'doença psicossomática'. Estes incluem dores de cabeça tensionais e enxaqueca (Alladin, 1988; Holroyd & Penzien, 1990; ter Kuile et al ., 1994); asma (ver revisão de estudos clínicos de Hackman, Stern & Gershwin, 2000); queixas gastrointestinais como síndrome do intestino irritável (Galovski e Blanchard, 1998; Harvey et al. , 1989; Whorwell, Prior e Colgan, 1987; Whorwell, Prior e Faragher, 1984); verrugas (DuBreuil & Spanos, 1993); e possivelmente outras queixas cutâneas, como eczema, psoríase e urticária (Shertzer & Lookingbill, 1987; Stewart & Thomas, 1995; Zachariae et al.

A hipnose é provavelmente pelo menos tão eficaz quanto outros métodos comuns de ajudar as pessoas a parar de fumar (veja a revisão de Green e Lynn, 2000). As metanálises de Law & Tang (1995) e Viswesvaran & Schmidt (1992) fornecem taxas médias de abstinência para hipnose em 23% e 36%, respectivamente. Existem evidências de vários estudos de que sua inclusão em um programa de redução de peso pode melhorar significativamente os resultados (Bolocofsky, Spinler & Coulthard-Morris, 1985; Kirsch, Montgomery & Sapirstein, 1995; Levitt, 1993).

Houve menos estudos especificamente sobre crianças, mas as evidências disponíveis sugerem que as conclusões acima podem ser estendidas a crianças e jovens (Hackman, Stern, & Gershwin, 2000; Sokel et al. , 1993; Stewart & Thomas, 1995; ver também revisado por Milling & Costantino, 2000).

Poucos estudos foram publicados investigando o uso complementar da hipnose em programas psicoterapêuticos mais amplos para o tratamento de distúrbios psicológicos específicos, como depressão, disfunção e distúrbio sexual, anorexia nervosa, bulimia nervosa, distúrbios da fala e da linguagem, transtorno de estresse pós-traumático e distúrbios fóbicos. Uma afirmação semelhante pode ser feita sobre seu uso na psicologia do esporte.

As conclusões acima são provisórias, pois a pesquisa sobre a eficácia clínica da hipnose continua com uma metodologia aprimorada.

Riscos e Salvaguardas na Prática Terapêutica

A hipnose é geralmente um procedimento benigno e as considerações de riscos potenciais se assemelham àquelas de outros métodos psicológicos semelhantes.

Grande parte da literatura sobre riscos é anedótica, mas algumas considerações gerais importantes são as seguintes:

Quando a hipnose está sendo usada para tratar problemas médicos e dor, é essencial que o paciente tenha feito um exame médico completo e esteja recebendo o tratamento médico apropriado. Durante a hipnose, o paciente deve ter acesso imediato a qualquer medicamento de emergência que tenha sido prescrito, como inaladores de asma.

Pacientes com doenças mentais já devem ter sido submetidos a um exame adequado do estado mental e receber a medicação apropriada.

Existem alguns relatos da aplicação terapêutica da hipnose em pacientes psicóticos, embora seu uso com esses pacientes seja geralmente evitado. Como na psicoterapia em geral, a hipnose deve ser usada apenas em pacientes psicóticos por terapeutas com grande experiência em hipnose e no trabalho psicoterapêutico com esses pacientes.

Ao contrário dos relatos anteriores, a hipnose pode ser usada de forma complementar no tratamento psicológico de alguns pacientes deprimidos. No entanto, deve-se tomar cuidado para evitar submeter o paciente deprimido a sofrimento indevido, por exemplo, pelo uso de procedimentos hipanalíticos que podem exacerbar a ideação suicida.

Durante procedimentos hipnoterapêuticos, como métodos de regressão, um paciente pode se tornar muito emocional e pode reagir. Ocasionalmente, foi relatado que isso ocorre espontaneamente na terapia, sem a sugestão de reviver qualquer memória. Os terapeutas devem, portanto, ter conhecimento e habilidade em ajudar pacientes que estão em estado de extrema emoção.

Os perigos dos métodos de regressão na obtenção de memórias falsas são considerados no próximo título. As diretrizes foram agora elaboradas pela Sociedade Americana de Hipnose Clínica (Hammond et al. , 1995) e pela Sociedade Britânica de Hipnose Clínica e Experimental (Oakley & Degun-Mather, 1997).

A hipnose não deve ser usada rotineiramente como um dispositivo de investigação para o diagnóstico de transtorno de personalidade múltipla (MPD - multiple personality disorder), agora conhecido como transtorno dissociativo de identidade (DID - dissociative identity disorder). Embora o diagnóstico de MPD ou DID tenha se baseado em um grau significativo no uso da hipnose, tem-se expressado preocupação de que isso, juntamente com demandas e expectativas, possa incentivar várias caracterizações de papéis (personagens) pelo paciente (Spano & Burgess, 1994). Além disso, a existência de MPD ou DID como um distúrbio psiquiátrico separado foi seriamente posta em causa (Aldridge-Morris, 1989; Piper, 1994).

Hipnose e Memória em Terapia

Há muitas razões pelas quais as memórias podem ser o foco de atenção durante a terapia. Frequentemente, os problemas apresentados pelo paciente são atribuídos a eventos passados e, embora algumas abordagens terapêuticas não considerem necessário abordá-las, outras envolvem sua exploração.

O valor dos procedimentos hipnóticos para facilitar o relaxamento está bem estabelecido, e é provável que um cliente que desfrute de uma sensação de calma e segurança seja mais capaz de divulgar e trabalhar com materiais difíceis. Algumas abordagens terapêuticas incentivam o cliente a reviver uma memória para ensaiar um resultado diferente, como um meio mais eficaz de lidar com o problema encontrado ou a ventilação de sentimentos não expressos.

Normalmente, supõe-se que os eventos em questão sejam prontamente lembrados pelo cliente. No entanto, há ocasiões na terapia em que recuperar lembranças significativas pode ser difícil, como quando o cliente considera o material muito embaraçoso ou doloroso, ou quando ele ou ela limitou a lembrança dos eventos ou é incapaz de se lembrar de todos os eventos relevantes. Em tais circunstâncias, o uso da hipnose é às vezes considerado adequado.

Quando a hipnose é usada para ajudar o sujeito ou o cliente a recuperar eventos de um período anterior do desenvolvimento, o termo "regressão etária" é frequentemente usado. Embora possa ter um papel legítimo a desempenhar nas abordagens terapêuticas acima, deve-se enfatizar que a regressão etária não restabelece literalmente no sujeito o estágio de desenvolvimento neurológico, neuropsicológico ou cognitivo correspondente à idade alvo (Nash, 1987).

As técnicas acima são sempre realizadas com o conhecimento do cliente e a compreensão de sua finalidade. Um problema com qualquer método que envolva imagens guiadas, no entanto, é que um terapeuta pode incentivar o desenvolvimento de fantasias que não são reconhecidas como tal pelo terapeuta ou pelo cliente (Laurence & Perry 1983). Um outro problema pode ser a "amnésia da fonte"; isso ocorre muito ocasionalmente quando, no estágio pós-hipnótico, o sujeito retém novas informações, mas aparentemente esquece que isso foi adquirido durante a hipnose (Evans, 1979).

Pequenas alterações involuntárias ou enfeites nas memórias podem ser inofensivas, mas é importante que o terapeuta esteja ciente da possibilidade de tais efeitos ao usar a hipnose dessa maneira. Existe um potencial considerável de dano quando a hipnose é usada no pressuposto de que facilita a lembrança de eventos quando não existem lembranças conscientes desses eventos. A compreensão atual dos processos de memória é inadequada para afirmar inequivocamente se é possível ou não uma memória ser reprimida de toda a consciência, mas ser acessível através de técnicas hipnóticas. No entanto, muitas evidências sugerem que isso é implausível (Holmes, 1990; Pope & Hudson, 1995). O que é incontestável é que usar a hipnose dessa maneira acarreta um risco real de produzir pseudo-memórias substanciais. As vezes, elas podem ter uma qualidade tão bizarra (por exemplo, 'memórias' de sequestro alienígena) que seriam descartadas por qualquer pessoa razoável, mas algumas podem ser tão plausíveis que enganam o terapeuta e o cliente a aceitá-las como precisas. Esse problema recebeu grande destaque no chamado debate 'Memórias recuperadas' (Conway, 1997; Ofshe & Watters, 1994).

Para um terapeuta, apenas reivindicar a consciência do problema e se proteger contra ele oferece proteção insuficiente contra os perigos da memória falsa. A pesquisa mostrou que simplesmente rotular uma situação de hipnótico fará com que as pessoas que estão tentando recordar suas primeiras lembranças produzam muitas lembranças muito mais precoces, com uma proporção significativa que se afirma ser anterior a doze meses de idade (Green, 1999; ver também Marmelstein e Lynn, 1999). Isso está tão longe dentro do período aceito de amnésia infantil (Howe & Courage, 1993; Usher & Neisser, 1993) a ponto de tornar virtualmente certo que as memórias lembradas são falsas.

A expectativa do público é que a hipnose facilite a recuperação de eventos esquecidos (Johnson & Hauck, 1999; Wagstaff, 1988); portanto, memórias de eventos, verdadeiras ou falsas, são geradas. Um terapeuta não pode efetivamente educar um cliente que a hipnose não tem esse poder, quando ele ou ela passa a usá-lo na busca por memórias indisponíveis.

Em resumo, a hipnose não possui nenhuma propriedade especial para melhorar a memória na terapia, como em qualquer outro contexto. Há circunstâncias em que os ingredientes da hipnose, como uma sensação de relaxamento e bem-estar, podem justificar seu uso durante um período de lembrança. Os procedimentos hipnóticos podem ser úteis para revisar e reestruturar as memórias existentes de eventos associados aos problemas do cliente. No entanto, nessas situações, o potencial para produzir memórias seguras, mas imprecisas, deve ser reconhecido. A hipnose não deve ser usada no pressuposto de que ela pode recuperar memórias de eventos dos quais o cliente não se lembra, mas que são a causa de seus problemas de apresentação.

Considerações Éticas e Profissionais na Prática Terapêutica da Hipnose

Qualquer pessoa que use a hipnose para fins terapêuticos deve limitar sua aplicação aos problemas que ele ou ela é profissionalmente qualificado para tratar. Uma regra sensata a seguir é apenas usar a hipnose para o tratamento daqueles problemas que alguém seria qualificado para tratar sem o uso da hipnose.

Quando um profissional está oferecendo hipnose para aumentar um curso mais amplo de aconselhamento ou psicoterapia, ele ou ela já deve possuir qualificações reconhecidas nesse campo de aconselhamento ou psicoterapia.

Ao realizar hipnose com qualquer paciente ou cliente, o profissional deve sempre aderir às regras éticas de sua própria organização profissional.

Além disso, o profissional deve seguir um conjunto de diretrizes éticas tipificadas pelo Código de Ética da Sociedade Internacional de Hipnose (Sociedade Internacional de Hipnose, 1997) ou uma derivada dele.

Treinamento na Aplicação Terapêutica da Hipnose

O treinamento em hipnose deve ser realizado apenas com o entendimento de que a hipnose é um conjunto de procedimentos que podem ser usados para aumentar uma das terapias psicológicas estabelecidas ou para facilitar procedimentos psicológicos em medicina e odontologia.

O treinamento em hipnose para fins de aplicação terapêutica deve, portanto, ser realizado apenas por indivíduos que já possuem ou estão em processo de aquisição de qualificações profissionais e experiência na compreensão e tratamento dos problemas para os quais pretendem usar a hipnose.

Os estagiários devem concordar em cumprir um código ético exemplificado pelo da Sociedade Internacional de Hipnose.

Os psicólogos treinados no uso terapêutico da hipnose devem ser incentivados a aderir ao título profissional existente (por exemplo, 'psicólogo clínico', 'psicólogo educacional' ou 'psicólogo de aconselhamento'), em vez de usar a designação 'hipnoterapeuta'.

Embora existam nas graduações e mestrados em universidades, cursos que ensinem o uso da hipnose como um complemento das habilidades clínicas e profissionais existentes dos trainees, atualmente não há cursos de treinamento em hipnose clínica que tenham qualquer forma de reconhecimento profissional substantivo.

Os profissionais que desejam treinamento em hipnose devem se certificar de que qualquer treinamento que pretendam fazer é suficiente para os fins para os quais desejam usar a hipnose e se é consistente com as diretrizes profissionais contidas neste documento. Os profissionais que oferecem treinamento devem fazê-lo somente nessa base.

Hipnose em terapia.

Hipnose em terapia.

Hipnose de Palco


A hipnose de palco é uma forma de entretenimento em que o hipnotizador sugere aos participantes que eles estejam tendo determinadas experiências ou que estejam envolvidos em determinadas atividades que são calculadas para divertir o público. Isso geralmente exige uma resposta imediata e extravagante às sugestões.

O hipnotizador seleciona seus participantes da plateia, geralmente por simples testes de sugestionabilidade. Alta sugestibilidade, no entanto, não é necessariamente uma característica de nenhum participante (Crawford et al. , 1992).

O hipnotizador pode realizar uma indução, mas alguns acham isso desnecessário (Heap, 2000a). Isso é consistente com o conhecimento existente sobre a natureza da hipnose (Kirch, 1991).

Algumas preocupações foram expressas sobre possíveis efeitos adversos da hipnose em palco (Echterling & Emmerling, 1987; Heap 2000a; MacHovec, 1986; Waxman, 1988). Os participantes geralmente ficam muito surpresos com suas experiências e podem ter reações agradáveis e desagradáveis. O contexto pode dificultar a participação de alguns participantes ou a retirada total, se assim o desejarem. Alguns participantes podem relatar que se sentiram como se fossem controlados pelo hipnotizador e, portanto, podem se arrepender de participar. Um hipnotizador de palco poderia, sem querer, sugerir uma experiência que o participante normalmente consideraria perturbadora.

Alguns relatos publicados descreveram problemas e distúrbios psicológicos mais duradouros associados à hipnose de palco (Kleinhauz & Beran, 1981, 1984) e, ocasionalmente, participantes e até espectadores fizeram essa afirmação, na mídia ou através de ações legais. No entanto, em geral, o papel da hipnose em palco em causar tais problemas não foi demonstrado de forma convincente (Heap, 1995b, 2000b; Wagstaff, 2000).

O Ministério do Interior do Reino Unido possui um conjunto de condições e salvaguardas a serem anexadas às licenças emitidas sob a Lei do Hipnotismo (Escritório de Papelaria de Sua Majestade, 1952). Estes foram revisados em 1996 (Home Office, 1996) por um painel de psicólogos e psiquiatras que, após revisar as evidências, concluíram que a hipnose em palco não representa um risco significativo para os participantes (Home Office, 1995).

Em resumo, portanto, embora às vezes as pessoas possam reagir negativamente à hipnose, ela não parece representar um risco à saúde mental dos participantes e membros da plateia, se as condições do modelo acima estiverem em vigor.

Hipnose de palco.

Hipnose de palco.

Bibliografia


Aldridge-Morris, R. (1989). Transtorno de personalidade múltipla: um exercício de decepção. Hove: Erlbaum. Alladin, A. (1988). Hipnose no tratamento da dor de cabeça. Em M Heap (Ed.), Hipnose: Atual clínica, experimental e práticas forenses (pp. 159-166). Londres: Croom Helm.

Associação Médica Americana (1985). Relatório do Conselho de Assuntos Científicos sobre "Status científico de memórias revigoradas pelo uso da hipnose". Jornal da Associação Médica Americana, 253, 1918–1923.

Anderson, JAD, Dalton, ER & Basker, MA (1979). Insônia e hipnoterapia. Jornal da Sociedade Real de Medicina, 72, 734-739.

Barabasz, A., Barabasz, M., Jensen, S., Calvin, S., Travisan, M. & Warner, D. (1999). Potenciais críticos relacionados a eventos mostram que a estrutura das sugestões hipnóticas é crucial. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 47, 5-22.

Barber, TX (2000). Uma compreensão mais profunda da hipnose: seus segredos, sua natureza, sua essência. American Journal of Clinical Hypnosis, 42, 208–272.

Barber, TX e Calverley, DS (1963a). A eficácia relativa de instruções motivadoras de tarefas e procedimentos de indução de transe na produção de comportamento "hipnótico". Journal of Nervous and Mental Disease, 137, 107-116.

Barber, TX e Calverley, DS (1963b). Rumo a uma teoria do comportamento hipnótico: efeitos na sugestionabilidade de instruções e atitudes motivadoras de tarefas em relação à hipnose. Jornal de Psicologia Anormal e Social, 67, 557-565.

Barber, TX e Calverley, DS (1965). Evidência empírica para uma teoria do comportamento 'hipnótico': Efeitos na sugestibilidade de cinco variáveis tipicamente incluídas nos procedimentos de indução hipnótica. Journal of Consulting Psychology, 29, 98-107.

Blankfield, RP (1991). Sugestão, relaxamento e hipnose como auxiliares no atendimento de pacientes operados: Uma revisão da literatura. American Journal of Clinical Hypnosis, 33, 172–186.

Bolocofsky, DN, Spinler, D. & Coulthard-Morris L. (1985). Eficácia da hipnose como adjuvante ao controle comportamental do peso. Jornal de Psicologia Clínica, 41, 35-41.

Brann, LR & Guzvica, SA (1987). Comparação da hipnose e relaxamento convencional para uso pré-natal e intraparto: um estudo de viabilidade na prática geral. Jornal do Colégio Real de Clínicos Gerais, 37, 437-440.

Brentar, J. & Lynn, SJ (1989). Efeitos 'negativos' e hipnose: uma revisão crítica. British Journal of Hipnose Experimental e Clínica , 6, 75-84.

Brentar, J., Lynn, SJ, Carlson, B. & Kurzhals, R. (1992). Pesquisa controlada sobre efeitos hipnóticos: O Questionário de Experiência Pós-Hipnótico. Em W. Bongartz (Ed.), Hipnose: 175 anos após Mesmer (pp. 179-201). Konstanz: University of Konstanz Press.

Coe, WC e Sluis, A. (1989). Pressões contextuais crescentes para violar a amnésia pós-hipnótica. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 57, 885-894.

Conway, MA (Ed.) (1997). Memórias recuperadas e memórias falsas. Oxford: Oxford University Press.

Cooper, LM (1972). Amnésia hipnótica. Em E. Fromm e RE Shor (Eds.), Hypnosis: desenvolvimentos e perspectivas de pesquisa (pp. 217-252). Chicago: Aldine-Atherton.

Crawford, HJ, Hilgard, JR e Macdonald, H. (1982). Experiências transitórias após testes hipnóticos e procedimentos especiais de término. Revista Internacional de Hipnose Clínica e Experimental. 26, 117-126.

Crawford, HJ, Kitner-Triolo, M., Clarke, SW & Olesko, B. (1992). Experiências transitórias positivas e negativas que acompanham a hipnose em estágio. Journal of Abnormal Psychology, 101, 663-667.

Crawford, H., Knebel, T. & Vendemia, MC (1998). A natureza da analgesia hipnótica: fundamento e evidências neurofisiológicas. Hipnose Contemporânea, 15, 22-33.

De Pascalis, V. (1999). Correlatos psicofisiológicos da hipnose e suscetibilidade hipnótica. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 47, 117-143.

DuBreuil, S. & Spanos, NP (1993). Tratamento psicológico de verrugas. Em JW Rhue, SJ Lynn e I. Kirsch (Eds.), Manual de hipnose clínica (pp. 623-643). Washington DC: Associação Americana de Psicologia.

Echterling, LG & Emmerling, DA (1987). Impacto da hipnose em estágio. American Journal of Clinical Hypnosis, 29, 149-154.

Evans, FJ (1979). Esquecimento contextual: amnésia da fonte pós-hipnótica. Jornal de Psicologia Anormal, 88, 556-563. Freeman, RM, MacCauley AJ, Eve, L. & Chamberlain, GVP (1986). Estudo randomizado para analgesia em trabalho de parto. British Medical Journal, 292, 657–658.

Friday, PJ e Kubal, WS (1990). Ressonância magnética: tolerância aprimorada do paciente utilizando hipnose médica. American Journal of Clinical Hypnosis, 33, 80-84.

Fromm, E. & Nash, MR (1992). Pesquisa contemporânea sobre hipnose. Nova York: Guilford Press. Galovski, TE e Blanchard, EB (1998). O tratamento da síndrome do intestino irritável com hipnoterapia. Fisiologia Aplicada e Biofeedback, 23, 219-232.

Genuis, ML (1995). O uso da hipnose para ajudar pacientes com câncer a controlar ansiedade, dor e êmese: uma revisão de estudos empíricos recentes. American Journal of Clinical Hypnosis, 37, 316-325.

Glass, LB & Barber, TX (1961). Uma observação sobre o comportamento hipnótico, a definição da situação e o efeito placebo. Journal of Nervous and Mental Disease, 132, 539-541.

Green, JP (1999). Hipnose, efeitos de contexto e recuperação de memórias autobiográficas precoces. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 47, 284-300.

Green, JP & Lynn, SJ (2000). Hipnose e abordagens baseadas em sugestões para parar de fumar: um exame das evidências. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 48, 195–224.

Gruzelier, JH (1998). Um modelo de trabalho da neurofisiologia da hipnose: uma revisão de evidências. Hipnose Contemporânea, 15, 5-23.

Hackman, RM, Stern, JS, & Gershwin, ME (2000). Hipnose e asma: uma revisão crítica. Journal of Asthma, 37, 1-15.

Hammond, DC, Garver, RB, Mutter, CB et al. (1995). Hipnose clínica e memória: diretrizes para médicos e hipnose forense . Des Plaines, IL: Sociedade Americana de Imprensa de Hipnose Clínica.

Harvey, RF, Hinton, RA, Gunary, R. & Barry, RE (1989). Hipnoterapia individual e em grupo no tratamento da síndrome do intestino irritável refratário. Lancet, 1, 424-425.

Heap, M. (Ed.) (1988). Hipnose: práticas clínicas, experimentais e forenses atuais. Londres: Croom Helm.

Heap, M. (1995a). Outro caso de agressão indecente por um hipnoterapeuta leigo. Hipnose Contemporânea, 12, 92-98.

Heap, M. (1995b). Um caso de morte após hipnose em estágio: Análise e implicações. Hipnose Contemporânea, 12, 99-110.

Heap M. (2000a). Os alegados perigos da hipnose em estágio. Hipnose Contemporânea, 17, 117-126.

Heap, M. (2000b). Um caso legal de um homem reclamando de um distúrbio sexual extraordinário após a hipnose em estágio. Hipnose Contemporânea, 17, 143-149.

Escritório de artigos de papelaria de Sua Majestade (1952). Lei do hipnotismo. Londres: HMSO.

Hilgard, ER (1986). Consciência dividida: Múltiplos controles no pensamento e na ação humanos. Nova York: Wiley.

Hoëncamp, E (1989). A coerção sexual e o papel da hipnose na relação terapêutica abusada. Em D. Waxman, D. Pedersen, I. Wilkie e P. Mellett (Eds.), Hypnosis: The Fourth European Congress at Oxford (pp. 160-174). London: Whurr Publishers.

Holmes, DS (1990). A evidência para a repressão: um exame de sessenta anos de pesquisa. Em JL Singer (Ed.), Repressão e dissociação: implicações para a teoria da personalidade, psicoterapia e saúde (pp. 85-102). Chicago: University of Chicago Press.

Holroyd, KA & Penzien, DB (1990). Profilaxia farmacológica versus não farmacológica da dor de cabeça recorrente da enxaqueca: uma revisão meta-analítica de ensaios clínicos. Pain, 42, 1-13.

Home Office (1987). Projeto de circular: O uso da hipnose pela polícia na investigação do crime. British Journal of Hipnose Experimental e Clínica, 4, 189–191.

Home Office (1988). Circular nº 66/1988: O uso da hipnose pela polícia na investigação do crime. Londres: Home Office.

Home Office (1995). Relatório do Painel de Especialistas designado para considerar os efeitos da participação em performances de hipnose em palco . Londres: Home Office.

Home Office (1996). Condições do modelo a serem anexadas às licenças para o desempenho do hipnotismo do palco. Anexo à Circular no. 39/1996. Londres: Home Office.

Howe, ML & Courage, ML (1993). Na resolução do enigma da amnésia infantil. Boletim Psicológico, 113, 305–326. Sociedade Internacional de Hipnose (1997). Diretório de membros. West Heidelberg, Austrália: Sociedade Internacional de Hipnose.

Jenkins, MW & Pritchard, MH (1993). Hipnose: Aplicações práticas e considerações teóricas no trabalho de parto normal. British Journal of Obstetrics and Gynecology, 100, 221-226.

Johnson, ME & Hauck, C. (1999). Crenças e opiniões sobre hipnose realizadas pelo público em geral: uma avaliação sistemática. American Journal of Clinical Hypnosis, 49, 10–21.

Kihlstrom, JF (1978). Contexto e cognição na amnésia pós-hipnótica. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 26, 246–267.

Kihlstrom, JF & Register, PA (1984). Escore ideal de amnésia na Escala de Susceptibilidade Hipnótica do Grupo Harvard, Formulário A. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 32, 51–57.

Kirsch, I. (1991). A teoria da aprendizagem social da hipnose. Em SJ Lynn e JW Rhue (Eds.), Teorias da hipnose: modelos atuais e perspectivas (pp. 439-466). Nova York: Guilford Press.

Kirsch, I., Montgomery, G. & Sapirstein, G. (1995). Hipnose como adjuvante da psicoterapia cognitivo-comportamental: Uma meta-análise. Jornal de Consultoria e Psicologia Clínica, 63, 214-220.

Kleinhauz, M. & Beran, B. (1981). Abusos da hipnose: uma emergência médica e seu tratamento. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 29, 148-161.

Kleinhauz, M. & Beran, B. (1984). Uso indevido da hipnose: um fator na psicopatologia. American Journal of Clinical Hypnosis, 26, 283-290.

Lang, EV, Benotsch. EG, Fick, LJ, Lutgendorf, S., Berbaum, ML, Berbaum, KS, Logan, H. & Spiegel, D. (2000). Analgesia não farmacológica adjunta para procedimentos médicos invasivos: um estudo randomizado. Lancet, 355, 1486-1490.

Lang, E., Joyce, JS, Spiegel, D., Hamilton, D. e Lee, KK (1996) Relaxamento auto-hipnótico durante procedimentos radiológicos intervencionistas: Efeitos na percepção da dor e no uso de drogas intravenosas. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental , 44, 106-119.

Laurence, JR. & Perry, C. (1983). Memória hipnoticamente criada entre sujeitos altamente hipnotizáveis. Science, 523-524. Law, M. & Tang, JL (1995). Uma análise da eficácia das intervenções destinadas a ajudar as pessoas a parar de fumar. Arquivos of Internal Medicine, 155, 1933–1941.

Levitt, EE (1993) Hipnose no tratamento da obesidade. Em JW Rhue, SJ Lynn e I. Kirsch (Eds.), Manual de hipnose clínica (pp. 533-553). Washington DC: Associação Americana de Psicologia.

Levitt, RE, Aronoff, G., Morgan, CD, Overley, TM e Parrish, MJ (1975). Testando o poder coercitivo da hipnose: Cometer atos questionáveis. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 23, 59-67.

Lynn, SJ, Martin, DJ e Frauman, DC (1996). A hipnose apresenta riscos especiais para efeitos negativos? Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 44, 7–19.

Lynn, SJ e McConkey, KM (Eds.) (1998). Verdade na memória. Guilford: Nova York.

Lynn, SJ, Myer, E. & Mackillop, J. (2000). O estudo sistemático dos efeitos pós-hipnóticos negativos: hipnose de pesquisa, hipnose clínica e hipnose em estágio. Hipnose Contemporânea, 17, 127–131.

Lynn, SJ e Sherman, SJ (2000). A importância clínica dos modelos sociocognitivos da hipnose: teoria dos conjuntos de respostas e intervenções estratégicas de Milton Erickson. American Journal of Clinical Hypnosis, 42, 294-315.

Lynn, SJ e Rhue, JW (Eds.) (1991). Teorias da hipnose: modelos e perspectivas atuais. Nova York: Guilford Press.

MacHovec, FJ (1986). Complicações da hipnose: prevenção e gerenciamento de riscos. Springfield, IL: Charles C. Thomas. Marmelstein, LR e Lynn, SJ (1999). Influências normativas, grupais e hipnóticas na memória autobiográfica precoce relatórios. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 47, 301–319.

Milling, LS & Costantino, CA (2000). Hipnose clínica com crianças: Primeiros passos em direção ao suporte empírico. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 48, 113–137.

Montgomery, GH, DuHamel, KN e Redd, WH (2000). Uma metanálise da analgesia hipnoticamente induzida: qual a eficácia da hipnose? Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 48, 138-153.

Nash, M. (1987). O que, se alguma coisa, é regredido sobre a regressão da idade hipnótica? Uma revisão da literatura empírica. Boletim Psicológico, 102, 42-52.

Oakley, DA & Degun-Mather, M. (1997). Hipnose clínica e memória. Documento preparado pela Sociedade Britânica de Hipnose Experimental.

O'Brian, RM & Rabuck, SJ (1976). Comportamento auto-repugnante produzido experimentalmente em função da hipnose e sugestão de vigília: um estudo piloto. American Journal of Clinical Hypnosis, 18, 272–276.

Ofshe, R. & Watters, E. (1994). Criando monstros: falsas memórias, psicoterapia e histeria sexual. Berkeley CA: University of California Press.

Orne, MT (1959). A natureza da hipnose: artefato e essência. Jornal de Psicologia Anormal e Social, 58, 277-299. Orne, MT (1972). Um sujeito hipnotizado pode ser compelido a realizar comportamentos inaceitáveis? Internacional Jornal de Hipnose Clínica e Experimental, 20, 101-117.

Orne, MT e Evans, FJ (1965). Controle social no experimento psicológico: comportamento anti-social e hipnose. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 1, 189–200.

Piper, A. (1994). Transtorno de personalidade múltipla. British Journal of Psychiatry, 164, 600-612.

Pope, HG e Hudson, JI (1995). As memórias de abuso infantil podem ser reprimidas? Psychological Medicine, 25, 121–126. Rainville, P., Duncan, GH, Price, DD, Carrier, B. & Bushnell, MC (1997). Efeito da dor codificado no cingulado anterior humano mas não córtex somatossensorial. Science, 277, 968-971.

Schoenberger, NE (2000). Pesquisa sobre hipnose como adjuvante da psicoterapia cognitivo-comportamental. Jornal Internacional de Hipnose Clínica e Experimental, 48, 154-169.

Shertzer, CL & Lookingbill, DP (1987). Efeitos da terapia de relaxamento e hipnotizabilidade na urticária crônica. Arquivos de Dermatologia, 123, 913–916.

Sokel, B., Christie, D., Kent, A., Lansdown, R., Atherton, D., Glover, M. & Knibbs, J. (1993). Uma comparação de hipnoterapia e biofeedback no tratamento do eczema atópico infantil. Hipnose Contemporânea, 10, 145-154.

Spano, NP & Burgess, C. (1994). Hipnose e transtorno de personalidade múltipla. Em SJ Lynn e JW Rhue (Eds.), Dissociação: Perspectivas clínicas e teóricas (pp. 136-155). Nova York: Guilford Press.

Stanton, HE (1989). Relaxamento hipnótico e insônia: uma solução simples? Hypnos: Swedish Journal for Hypnosis in Psychotherapy and Psychosomatic Disorders, 16, 98-103.

Stewart, A. & Thomas, SE (1995). Hipnoterapia como tratamento para o eczema atópico em adultos e crianças. British Journal of Dermatology, 132, 778-783.

ter Kuile, EG, Spinhoven, P., Linssen, ACG, Zitman, FG, Van Dyck, R. & Roojimans, HGM (1994). Treinamento autogênico e auto-hipnose cognitiva para o tratamento de dores de cabeça recorrentes em três grupos de sujeitos diferentes. Pain, 58, 331-340.

Usher, JA & Neisser, U. (1993). Amnésia na infância e o início da memória em quatro eventos iniciais da vida. Journal of Experimental Psychology: General, 122, 155-165.

Viswesvaran, C. & Schmidt, F. (1992). Uma comparação meta-analítica da eficácia dos métodos de cessação do tabagismo. Jornal de Psicologia Aplicada, 77, 554-561.

Wagstaff, GF (1988). Concepções públicas de hipnose forense: implicações para a educação e a prática. Em M. Heap (Ed.) Hipnose: práticas clínicas, experimentais e forenses atuais (pp. 395-403). Londres: Croom Helm.

Wagstaff, GF (1999). Hipnose e psicologia forense. Em I. Kirch, A. Capafons, E. Cardeña-Buelna, S. Amigó (Eds.) Hipnose clínica e auto-regulação: perspectivas cognitivo-comportamentais (pp. 277-310). Washington DC: Associação Americana de Psicologia.

Wagstaff, GF e Frost, R. (1996). Reversão e violação da amnésia pós-hipnótica e pseudo-hipnóticas criadas hipnoticamente. Hipnose Contemporânea, 13, 191-197.

Walker, LG, Lolley, J., Dawson, AA & Ratcliffe, MA (1991). Hipnoterapia para efeitos colaterais da quimioterapia: desenvolvimentos. Em M. Heap (Ed.), Contribuições hipnóticas: Anais da Sétima Conferência Anual da Sociedade Britânica de hipnose experimental e clínica (pp. 63–71). Sheffield: Publicação BSECH.

Waxman, D. (1988). Os problemas do hipnotismo de palco. Em M. Heap (Ed.), Hipnose: Atual clínica, experimental e forense práticas (pp. 426-433). Londres: Croom Helm.

Whorwell, PJ, Prior, A. Faragher, EB (1984). Estudo controlado da hipnoterapia no tratamento da síndrome do intestino irritável refratário grave. Lancet, 2, 1232–1234.

Whorwell, PJ, Prior, A. & Colgan, SM (1987). Hipnoterapia na síndrome do intestino irritável grave: Experiência adicional. Gut, 28, 423-425.

Zachariae, R., Øster, H., Bjerring, P. & Kragballe, K. (1996). Efeitos de intervenções psicológicas na psoríase: Um relatório preliminar. Jornal da Academia Americana de Dermatologia, 34, 1008-1015.

Imagens disponibilizadas por Freepick.

British Psychological Society - Sociedade Britânica de Psicologia (2001). A natureza da hipnose.