Meditação e hipnose para alivio do estresse e ansiedade

Meditação e hipnose para alivio do estresse e ansiedade

Meditação e Hipnose – Saiba quando empregar cada um destes excelentes recursos para o controle do estresse e ansiedade.

O que é hipnose?

A hipnose é um estado de extremo foco e concentração, no qual é dada atenção mínima a estímulos externos. No cenário terapêutico, o hipnoterapeuta geralmente usa relaxamento e sugestões na tentativa de alterar os pensamentos e as percepções de um paciente.

A hipnose também tem sido usada para se trabalhar crenças e valores profundamente arraigadas na memória de alguém. Para indivíduos que estão abertos ao poder da sugestão, isso pode ser uma técnica muito eficaz, e os estudos de imagem cerebral demonstraram que estados hipnóticos estão associados a alterações globais no funcionamento do cérebro (Del Casale et al., 2012; Guldenmund, Vanhaudenhuyse, Boly, Laureys e Soddu, 2012).

Historicamente, a hipnose tem sido vista com alguma suspeita devido a sua imagem na mídia e entretenimento populares. Portanto, é importante fazer uma distinção entre hipnose como uma abordagem terapêutica versus como uma forma de entretenimento. Ao contrário da crença popular, os indivíduos submetidos à hipnose geralmente têm lembranças claras da experiência hipnótica e controlam seus próprios comportamentos.

A hipnoterapia, também conhecida como hipnose clínica, é uma forma de terapia que utiliza relaxamento, extrema concentração e intensa atenção (foco) para alcançar um estado elevado de consciência ou atenção plena. Em outras palavras, coloca o indivíduo em um “transe”.

Essa forma de terapia é considerada como complementar, com o objetivo de utilizar a mente para ajudar a reduzir ou aliviar uma variedade de questões, como estresse, ansiedade, fobias e hábitos não saudáveis, destrutivos ou perigosos (como fumar e beber). O objetivo da hipnoterapia é criar uma mudança positiva no indivíduo, enquanto se está em um estado de transe.

O que é meditação?

Meditação é o ato de focar em um alvo (como a respiração ou um som repetitivo) para aumentar a consciência do momento. Ela pode ser praticada sozinha ou guiada. Muitas vezes, as pessoas que desejam aprender a meditar recebem um treinamento em técnicas para alcançar um estado meditativo. Um estado meditativo, como mostrado em gravações de eletroencefalograma de meditadores recém-praticantes, não é um estado alterado de consciência em si; no entanto, os padrões de ondas cerebrais exibidos por meditadores especialistas podem representar um estado único de consciência (Fell, Axmacher e Haupt, 2010).

Embora existam várias técnicas em uso, a característica central de toda meditação é limpar a mente para alcançar um estado de consciência e foco relaxados (Chen et al., 2013; Lang et al., 2012). A meditação da atenção plena (mindfulness) tornou-se popular recentemente. Nesta variação da meditação, a atenção do meditador é focada em algum processo interno ou em um objeto externo (Zeidan, Grant, Brown, McHaffie e Coghill, 2012).

As técnicas meditativas têm suas raízes nas práticas religiosas, mas seu uso tem crescido em popularidade entre os praticantes de técnicas alternativas. Pesquisas indicam que a meditação pode ajudar a reduzir a pressão arterial, e a American Heart Association sugere que a meditação pode ser usada em conjunto com tratamentos mais tradicionais, como uma maneira de gerenciar a hipertensão; embora não haja dados suficientes para que uma recomendação seja feita (Brook et al. 2013). Como a hipnose, a meditação também mostra possibilidades no gerenciamento do estresse, qualidade do sono (Caldwell, Harrison, Adams, Quin e Greeson, 2010), tratamento de transtornos de humor e ansiedade (Chen et al., 2013; Freeman et al., 2010; Vøllestad , Nielsen e Nielsen, 2012) e controle da dor (Reiner, Tibi e Lipsitz, 2013).

Qual é a diferença entre meditação e hipnose?

“Qual é a diferença entre meditação e hipnose?” Eu já fiz essa pergunta mil vezes. Mas é uma pergunta justa. Tanto a meditação quanto a hipnose requerem foco mental, e ambas podem trazer grandes benefícios.

A hipnose como terapia geralmente terá um objetivo psicológico (e, portanto, comportamental) muito específico. Hipnotizamos as pessoas para ajudá-las a se envolver com os tipos de pensamentos, sentimentos e ações que as impeçam de ficar estressadas e ansiosas, ou de permanecerem traumatizadas ou fóbicas. Usamos a terapia por hipnose para ajudá-las a aliviar a dor ou maximizar sua motivação. A meditação pode ter, como resultado o efeito de nos sentir mais calmos no dia-a-dia, mas geralmente não é usada para se parar de fumar ou tratar uma fobia específica.

Da mesma forma, a hipnose clínica, embora maravilhosa para relaxar, geralmente não é usada com o único objetivo de ajudar alguém a alcançar uma mente ‘vazia’ ou uma ‘atenção plena’ objetiva – embora possamos certamente usar a hipnose para esse efeito muito bem.

Portanto um dos diferenciais entre hipnose e meditação pode ser o propósito para o qual elas vão são empregados.

Perguntar qual é a diferença entre meditação e hipnose é como perguntar qual é a diferença entre álcool e vinho. A meditação pode ser o uso muito específico e especializado de um tipo de estado hipnótico, geralmente como parte de um “sistema espiritual” mais amplo. O ‘meditador’ mais famoso da história foi, é claro, Siddhārtha Gautama – também conhecido como ‘o desperto’ ou Buda. Seus seguidores acreditavam que ele havia alcançado a iluminação através da meditação. No entanto, as palavras ‘meditação’ e ‘hipnose’ são invenções muito mais recentes.

Um aspecto do ‘despertar’ do Buda era a percepção da conexão de todas as coisas sob aparências enganadoras. ‘Meditação’ e ‘hipnose’ são apenas palavras e, às vezes, podem significar exatamente a mesma coisa. Alguns estados hipnóticos podem ser mais parecidos com estados meditativos, e tenho certeza que algumas pessoas que meditam experimentam imagens profundamente hipnóticas às vezes.

Hipnose e meditação podem torná-lo mais feliz

Eu já acompanhei o uso criterioso da hipnose ajudar a mudar vidas, permitindo que pessoas consigam se livrar de padrões indesejados de pensamento e caos emocional. E há também algumas pesquisas que indicam que a meditação regular ou a auto-hipnose podem tornar as pessoas mais felizes.

Usamos a terapia por hipnose para ajudar as pessoas a se desapegarem das emoções destrutivas e com calma começarem a perceber possibilidades mais amplas e felizes. A hipnoterapia geralmente se concentra em ajudar alguém a reavaliar emocionalmente (resignificar) lembranças do passado, ou se preparar para se sentir melhor e agir de maneira diferente no futuro. Já o objetivo da meditação, como o mindfulness, é fornecer um método para aprender a vivenciar emoções, reações, atitudes e pensamentos para lidar com situações que a vida nos apresenta, através da prática e refinamento da plena consciência.

Portanto, a pergunta “Qual é a diferença entre hipnose e meditação?” é simples, mas a resposta é um pouco mais profunda. Na verdade a grande diferença entre estes dois excelentes recursos é que a hipnose é fundamentalmente uma terapia de curtíssimo prazo para lidar com um objetivo específico, ou seja, o que ela puder entregar de bom a uma pessoa, ela provavelmente fará de imediato, em um espaço de poucas sessões. Ela não precisa ser praticada por um longo período de tempo para se observar resultados positivos.

Meditação ou hipnose – O que é melhor?

Meditação ou hipnose, qual destes dois recursos é mais efetivo no alívio do estresse e da ansiedade? Na verdade, como já explicado, ambas as praticas são opções excelentes e comprovadas para ajudar você a resgatar o bem estar.

Mas minha opinião é de que a hipnose é a opção mais versátil e objetiva. Ela pode ser combinada com quase tudo. De fato, a lista completa de coisas para as quais você pode usar a hipnose exigiria outro artigo (e extenso!).

Você provavelmente já conhece algumas delas, além de aliviar o estresse e a ansiedade, como quebrar maus hábitos, controlar a dor, perda de peso, etc. Porém, você pode obter alguns dos mesmos resultados usando a meditação.

Embora seja verdade que a hipnose e a meditação tenham elementos em comum, são as diferenças que realmente fazem a hipnose se destacar.

Meditação ou hipnose – Qual é a diferença?

Aqui está um resumo rápido:

  • A meditação é uma técnica na qual você encontra um lugar silencioso para focar sua mente e tentar relaxar.
  • A hipnose é uma técnica em que você encontra um lugar calmo para relaxar e focar sua mente. Quando estiver relaxado e focado, você terá a possibilidade de lidar e aliviar objetivamente com diversos problemas da sua vida.
  • A meditação pode ajudá-lo a relaxar e se concentrar, mas a hipnose pode levar você rapidamente muito mais longe. Uma vez em transe hipnótico, é possível se comunicar com sua mente inconsciente. É quando você pode fazer sugestões e usar temas hipnóticos para fazer mudanças mensuráveis na vida, de dentro para fora de você.
    Isso pode ser conseguido com o auxílio do hipnoterapeuta te hipnotizando diretamente, ou ensinando você a praticar a auto-hipnose. De qualquer maneira, ambas as opções são igualmente eficazes.
  • Meditação é sobre ficar ancorado no aqui e agora. É uma forma de introspecção para que você possa examinar seus pensamentos e sentimentos, e esperançosamente, colocá-los em uma perspectiva positiva.
    Embora a hipnose possa fazer a mesma coisa, trata-se também de olhar mais profundamente, explorar o seu inconsciente, onde as suas memórias, comportamentos, hábitos, criatividade, emoções, crenças e instintos são armazenados. Quando você pode acessá-los, existe a possibilidade real do autoaperfeiçoamento e do alívio de questões emocionais.
  • Outra diferença entre hipnose e meditação é o fato de a hipnose ter três estágios distintos, que são os seguintes:
    Fase da indução
    Onde você fecha os olhos, relaxa e concentra-se na prática de uma sequencia de instruções para se entrar em transe hipnótico.
    Fase da sugestão
    Aqui você recebe sugestões hipnóticas com o objetivo de ajudar nos problemas que deseja alterar.
    Fase da saída
    Onde você sai do transe e volta ao seu estado normal de vigília.

Não há dúvida de que a meditação pode ajudá-lo a acalmar sua mente, relaxar e reunir seus pensamentos. Mas hipnose e auto-hipnose podem oferecer algo substancialmente mais rápido e objetivo.

A hipnose e auto-hipnose oferecem uma maneira poderosa de:

  • Aliviar a ansiedade e desestressar, aprendendo a superar o medo e a insegurança.
  • Acessar e organizar informações internas.
  • Libertar sua criatividade.
  • Encontrar soluções positivas, mesmo em tempos difíceis.
  • Alcançar mais objetivos.

A hipnose pode ajudá-lo de forma prática e objetiva a explorar seu verdadeiro potencial, não importa o quão caótico o mundo ao seu redor possa parecer.

Hipnose e auto-hipnose – Mas como isso acontece?

Na hipnose normalmente você começa com um objetivo ou intenção específica em mente. Quando estiver relaxado, você pode realmente se concentrar no problema, talvez usando a visualização como uma ferramenta de mudança.

Através de técnicas de auto-hipnose, se houver um problema que deseje resolver, você poderá visualizar maneiras de fazê-lo. Você irá imaginar o problema como um pedaço de papel levado pelo vento, ou também imaginá-lo como uma grande pedra que se desfaz em pó.

Se um objetivo profissional precisa da sua atenção, afirmações positivas o ajudarão a fixá-lo na sua mente inconsciente. Assim, você pode pensar na hipnose como um tipo de meditação mais intenso, rápido e focado, voltado para resultados práticos, sucesso e transformação.

Talvez por isso, tantas celebridades e empresários se voltem para a hipnose como ferramenta para se alcançar resultados. Mas é claro que por mais bem sucedidas que sejam, elas são apenas pessoas, e assim sejam sujeitas aos mesmos tipos de estresse e ansiedade de todos nós. E é exatamente a possibilidade do rápido alívio do estresse e ansiedade uma das maiores razões pelas quais a hipnose pode ser extraordinariamente eficaz.

Qual é a diferença entre estresse e ansiedade?

Entender a diferença entre estresse e ansiedade pode garantir a ajuda necessária. Há uma linha tênue entre eles – ambas são respostas emocionais, mas o estresse é geralmente causado por um gatilho externo. O gatilho pode ser de curto prazo, como um prazo de trabalho ou uma briga com um ente querido, ou de longo prazo, como dificuldades financeiras, discriminação ou doenças crônicas. Pessoas sob estresse costumam experimentar sintomas mentais e físicos – como irritabilidade, raiva, fadiga, dor muscular, problemas digestivos e dificuldade para dormir.

A ansiedade, por outro lado, é definida por preocupações persistentes e excessivas que não desaparecem mesmo na ausência de um estressor. A ansiedade leva a um conjunto de sintomas quase idêntico ao estresse: insônia, dificuldade de concentração, fadiga, tensão muscular e irritabilidade.

O estresse leve e a ansiedade leve respondem bem a mecanismos de enfrentamento semelhantes. Atividade física, dieta nutritiva e variada, e boa higiene do sono são um excelente ponto de partida – mas existem outros mecanismos de enfrentamento disponíveis.

Se o estresse e a ansiedade não respondem a essas técnicas de gerenciamento, ou se você percebe que eles estão afetando seu desempenho ou humor no dia-a-dia, considere conversar com um profissional da saúde para que possa ajudá-lo a entender o que está acontecendo – e que possa fornecer ferramentas adicionais de enfrentamento, como a hipnose e meditação.

Transtornos de ansiedade

Um médico pode avaliar se você possui um transtorno de ansiedade. Os transtornos de ansiedade diferem dos sentimentos de ansiedade de curto prazo em sua gravidade e na duração. A ansiedade pode se manter por longos períodos e afetar negativamente o humor e a funcionalidade de uma pessoa. Alguns transtornos de ansiedade – como agorafobia (o medo de espaços públicos ou abertos) – podem fazer com que a pessoa evite atividades agradáveis ou dificulte a manutenção de um emprego.

Transtornos de ansiedade são comuns. De acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA em uma pesquisa recente, 19% dos americanos com mais de 18 anos tiveram um distúrbio de ansiedade no ano passado e 31% dos americanos sofrerão um distúrbio de ansiedade durante a vida.

Um dos transtornos de ansiedade mais comuns é o transtorno de ansiedade generalizada, que afeta cerca de 3% dos adultos a cada ano. Para diagnosticar essa condição, o clínico procurará sintomas como o de se ter preocupações excessivas e difíceis de controlar, que ocorrem na maioria dos dias durante seis meses. A preocupação pode passar de tópico para tópico. O transtorno de ansiedade generalizada também é acompanhado pelos sintomas físicos da ansiedade.

Outro tipo de transtorno de ansiedade é o transtorno do pânico, marcado por ataques repentinos de ansiedade que podem deixar uma pessoa suando, tonta e ofegando por ar. A ansiedade também pode se manifestar na forma de fobias específicas (como o medo de voar) ou como ansiedade social, marcada por um medo generalizado de situações sociais.

Os transtornos de ansiedade podem ser tratados com terapia, medicamentos ou uma combinação dos dois.

Os efeitos do estresse no corpo e na mente

É um fato bem conhecido que uma certa quantidade de estresse é uma coisa boa. Ele pode mantê-lo alerta e garantir que você não seja complacente. Muito estresse, no entanto, e de repente, significa que as coisas começam a dar errado.

De acordo com a American Psychological Society (APA), o estresse é à maneira do seu corpo de protegê-lo contra dores e lesões. Quando você está estressado, seus músculos ficam tensos. É uma espécie de ação reflexa. Eles acrescentam que o estresse se enquadra em duas categorias: estresse agudo e estresse crônico.

O estresse agudo é de curto prazo, como você experimentaria se tivesse que pisar no freio de repente para evitar um acidente. Isso aciona o sistema nervoso simpático para iniciar a resposta de luta ou fuga. Sua frequência cardíaca aumenta e seu corpo envia mais hormônios do estresse, como adrenalina e cortisol. Mais sangue é bombeado ao redor do corpo, o que aumenta sua pressão arterial.

Depois que o perigo passou, seu corpo se acalma e as coisas voltam ao normal.

O estresse crônico refere-se aos mesmos tipos de estressores, mas por um longo período de tempo. Isso significa que seu corpo não tem tempo suficiente para se acalmar, e isso coloca muita pressão nele. Mais hormônios do estresse são desencadeados com mais frequência, juntamente com níveis elevados de pressão arterial, os quais esgotam suas reservas de energia e levam a uma certa quantidade de desgaste do corpo.

O dano que o estresse pode causar não deve ser subestimado. E isso se relaciona tanto à sua saúde mental quanto à sua saúde física. O estresse pode afetar todos os aspectos da sua vida, incluindo pensamentos, emoções e comportamentos.

Alguns dos sintomas que você pode sentir se estiver estressado:

  • Sentir-se frustrado ou mal-humorado
  • Sentir-se sobrecarregado
  • Ser incapaz de relaxar
  • Sentir-se inútil e solitário
  • Querer evitar outras pessoas
  • Falta de energia
  • Dores de cabeça
  • Nervosismo
  • Dor no peito
  • Resfriados e infecções frequentes
  • Dificuldade em dormir
  • Preocupação e ansiedade constantes
  • Incapacidade de se concentrar
  • Esquecimento
  • Sempre ver o lado negativo das coisas

Hipnose e auto-hipnose – Uma abordagem pragmática

Muito estresse e ansiedade mexem com sua mente, impossibilitando que se tomem boas decisões. Você não será criativo ou inovador se estiver à beira de uma crise de ansiedade. Viver um estado constante de estresse significa não ter energia, nem paz de espírito para se conseguir ideias, planejar ou solucionar problemas.

Ser capaz de relaxar mental e fisicamente é crucial, especialmente quando você estiver passando por momentos difíceis ou tomando decisões importantes. São nesses momentos que a hipnose pode se tornar uma ferramenta rápida e prática.

O segredo é este: você não pode ficar estressado quando se está relaxado.

A hipnose é totalmente voltada para a indução do relaxamento – e quando você está relaxado, é capaz de deixar as pressões de lado e se concentrar apenas nas coisas que deseja mudar.

Falar isso é fácil, mas onde está a prova? A hipnose é realmente tão boa em induzir relaxamento e ajudar a aliviar o estresse?

Pesquisas realizadas por D Corydon Hammond, da Faculdade de Medicina da Universidade de Utah, apontam o valor da auto-hipnose. Hammond revisou estudos que analisaram a eficácia da auto-hipnose em questões relacionadas à ansiedade e ao estresse, incluindo ansiedade relacionada à cirurgia, queimaduras, trabalho odontológico e câncer.

Isso também incluiu pesquisas usando a auto-hipnose para tratar outras condições relacionadas à ansiedade, como enxaquecas e a síndrome do intestino irritável. Segundo Hammond, a enorme quantidade de pesquisas disponíveis fornece evidências convincentes de que a hipnose pode ser usada com sucesso no tratamento de muitos distúrbios e condições relacionados à ansiedade.

Eileen Davis é conferencista sênior e chefe acadêmico da Escola de Aconselhamento do Australian College of Applied Psychology. Ela realizou uma revisão de dez estudos que analisaram o uso da hipnose para tratar dor e ansiedade crônica. Ela descobriu que os estudos forneciam evidências de que a hipnoterapia era uma maneira eficaz de ajudar as pessoas a reduzir seus níveis de dor e ansiedade.

Estudos após estudo confirmam a eficácia da hipnose na redução da ansiedade e no alívio do estresse. Quando o estresse acaba, fica bem mais fácil se concentrar, tomar boas decisões, pensar fora da caixa e definir os objetivos que você realmente deseja alcançar.

A meditação é indicada para relaxar e aliviar o estresse no aqui e agora. Já a hipnose permite investigar mais profundamente o problema, ajudando a lidar com pensamentos, sentimentos e comportamentos que provocam o estresse e ansiedade.

Graças à flexibilidade da hipnose, você poderá desenvolver seu potencial pela prática da auto-hipnose ou em sessões de hipnoterapia conduzidas pelo hipnoterapeuta – ele analisará como você experimenta sua ansiedade, suas causas e gatilhos. Perguntará como deseja se sentir e como será a vida sem este problema. Em seguida, trabalhará para reduzir os sintomas usando uma variedade de técnicas. Cada hipnoterapeuta pode empregar uma abordagem ligeiramente diferente, dependendo da sua formação e do tipo de problema enfrentado.

Após suas sessões, você vai ter a tendência natural de se sentir muito mais confiante e relaxado com relação a situações que eram desafiadoras anteriormente. Muitas pessoas costumam relatar ficarem muito mais calmas e com clareza de pensamento após a hipnoterapia, sendo capazes de tomar decisões com mais facilidade e segurança.